24 de agosto de 2016

O futuro pertence a quem?

Ser pai é uma aventura incrível! Eu já disse isso muitas vezes não é? Ser pai te faz crescer, te faz querer ser uma pessoa melhor, um ser humano mais pleno, e também exercita muito sua empatia, sua capacidade de se colocar no lugar do outro.
Mas é claro que ser pai, solteiro, te faz passar por muitos momentos tensos, preocupantes, situações em que você não sabe realmente o que fazer, qual o melhor caminho a ser tomado! Estas situações variam em função da idade, da maturidade do seu filho ou filha, mas mais cedo ou mais tarde vão aparecer!
Resultado de imagem para futuro
Aqui em casa estamos passando por um momento destes. Minha filha está bastante perdida em relação a seu futuro, em relação a carreira, a ganhar dinheiro... 
Um pequeno resumo: Desde os 15/16 ela tem dúvidas sobre que faculdade fazer, pensou em medicina, depois biologia, pensou em fazer direito, fez teste vocacional, pensou em Adm, em Economia... ela sempre pensando em algo que pudesse lhe garantir uma boa renda, recursos no futuro para cuidar bem de seus filhos (ela fala muito isso) Em 2015, após um ano de cursinho, ela entrou na FEA/USP no curso de Contabilidade.
Mas ela já odiou o curso logo de cara! Não conseguiu se animar,  ir nas aulas com a frequência desejada. Realmente isso era o esperado, ela não tem muito "amor" pela área de exatas e o curso de contabilidade, pelo que sei, é bastante "árido"... Ela ainda fez aulas nos cursos de Economia e Adm da FEA, para onde poderia pedir transferência mas ela também não se interessou... principalmente com o tipo de perspectiva de trabalho.
Ela chegou ao final de 2015 muito fragilizada, depressiva, sem saber que rumos tomar, porque "perdeu" o ano todo neste movimento de tentar se entusiasmar com "razonetes", o que é bem difícil... Tão perdida que nem "lembrou" de se inscrever na FUVEST (nem adianta eu falar em outras faculdades, ela "se recusa" a pagar faculdade).
Conversamos bastante, e como eu sei que pai e mãe nem sempre dão os melhores conselhos para ouvidos de filhos, eu sugeri que ela fizesse terapia, que ela tivesse mais espaço de conversar... o que ela aceitou.
Resultado de imagem para futuroNeste primeiro semestre de 2016 ela se matriculou em algumas disciplinas de Ciências Sociais na FFLCH, e parece que ai sim encontrou um curso mais interessante para sua alma ( e eu concordo que é bem mais "a cara" dela). Neste segundo semestre decidiu trancar a contabilidade e começou a fazer cursinho, para prestar vestibular novamente no fim do ano. Mas esta semana, que começam as inscrições na FUVEST, ela entrou em nova crise, sem ter certeza mesmo que ela quer fazer sociologia, se sociologia lhe daria chance de um bom emprego, se ela teria dinheiro no futuro para se bancar e cuidar de seus filhos sendo "cientista social"...

E ai? Quem passou por essas crises? Como saíram delas? O que devo fazer como pai?


18 comentários:

  1. Respostas
    1. Realmente a FFLCH deixa saudades... menos as greves! que são necessárias mais que enchem o saco!

      Excluir
  2. Anônimo8:26 PM

    Eu não passei, comigo foi assim, estava andando com meu pai por volta de 13 anos (me lembro do lugar e me lembro que era de dia) , e ele me falou assim: "ja pensou em fazer informática? tudo daqui pra frente vai ser no computador" Dai eu pensei: sabe que é uma boa? gosto de matematica, tenho facilidade pra exatas, vou nessa mesmo. Dai fiz colegial tecnico em informatica industrial, depois ciencia da computação e trabalho na área até hoje. E amo o que faço. Eu acho que não tem muito como ajudar, é tenso mesmo pq são muitas possibilidades, e a gente sabe que mesmo que a gente queira mudar depois, mesmo assim ainda, a faculdade vai consumir uns bons preciosos anos da nossa juventude. Eu acho que aconselharia ela a primeiro decidir qual a área que ela mais tem afinidade: exatas, humanas, biologicas, etc. Depois dentro dessa area vc poderia ajuda-la tentando arrumar com alguns profissionais que exerçam atividades afins, pra ela ter contato e saber como é a natureza do trabalho. Quanto a remuneração eu acho que é muito relativo sabe, não adianta ganhar muito bem fazendo algo que vc odeia, bem essa é minha opinião. Grande abraço, Robson/SJCampos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal sua experiencia! Que bom que encontrou o que ama! Isto é bem bom!
      Eu levei ela encontrar com alguns profissionais, de diversas áreas... isto foi bem interessante, mas vu pensar em fazer mais...

      Excluir
  3. Wagner8:49 PM

    Período difícil da vida...
    Mas enfim, apesar de eu ser a pessoa mais insegura e indecisa que eu conheço, quando no colegial (sou desse tempo, sim, e daí?) eu tive a sorte de, além de já ter decidido pela área de exatas (boa a sugestão do "Robson anônimo" aí em cima) eu tive várias orientações vocacionais na escola e noutros lugares. Então a Química foi uma escolha fácil.

    Difícil foi aguentar meu pai buzinando no meu ouvido que eu deveria procurar por algo que desse dinheiro, mesmo que eu não gostasse. Como eu não tinha nenhuma preocupação quanto a isso (ingenuidade... idealismo... :-\), fiz Química mesmo (depois mestrado e doutorado).

    E sou feliz neste aspecto! Ganho menos do que eu acho que merecia, mas estou satisfeito. Ela precisa se informar, conversar com as pessoas das áreas, participar das semanas estudantis das universidades. Só assim para fazer uma escolha assertiva.

    Boa sorte e abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "...pai buzinando no meu ouvido que eu deveria procurar por algo que desse dinheiro..."
      Muitas pessoas infelizmente são mercenárias e querem que entes queridos sejam.
      Um humorzinho (mas infelizmente ocorre mesmo!): MUITO dinheiro? Ah, sim, ser pastor de igreja evanja ou abrir a própria, ou se filiar num partido e se candidatar (como muitos fazem pelo $$$, privilégios...)...

      Excluir
    2. Química deve ser uma área muito interessante Wagner, que bom que a "buzinação" do pai não te afastou de seus objetivos, e hoje em dia ele gosta de ter filho Químico?

      Excluir
    3. Pastora de Igreja... putz! Como ela não penso nisso! Boa ideia Hedc! #sqn

      Excluir
  4. Anônimo1:18 AM

    Primeira vez comentando no seu blog, não sei o porquê comecei a ler e logo depois me peguei assinando o rss. (uma forma mais fácil de saber quando tem post)

    Sou um pouco mais jovem que o pessoal daqui, tenho 22 anos e estou no meu terceiro ano da faculdade, também faço na USP, no entanto, na área de exatas.

    Hoje estava conversando com uma conhecida no estágio que está no mesmo dilema, não sabe o que cursar e vai prestar fuvest de novo.

    O que recomendei a ela foi se perguntar aonde ela se vê daqui uns 10, 20 anos, onde vai estar trabalhando? o que vai estar fazendo? O que vc precisa fazer agora para chegar nessa situação.

    Matéria de ciências sociais e quer fazer Sociologia?
    Estou um pouco confuso.
    A FFLCH tem o curso de ciências sociais.
    Sobre a questão de dinheiro, ok ficar preocupado, no entanto não vale a pena gastar 4 ou 5 anos da sua vida fazendo matérias que não gosta. É cilada, bino.
    Curso de exatas não tem meio certo, está certo ou errado, então é comum ver na sala pessoas que estão desde 2009 na USP, é sério.

    Agora deixa eu falar de mim.
    No meu ensino médio, antigo colegial, tive ótimos professores de matérias das exatas que me fizeram gostar de cálculo, lógica então foi fácil decidir o que fazer.

    Se tiver algum erro de pt, eu culpo o horário, é madrugada e hoje acordei cedo.

    =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu comentário! e obrigado por seguir o blog! Esta técnica se tentar se ver no futuro é muito interessante e ela já faz isso naturalmente, o problema é que são cenários múltiplos!
      O curso da FFLCH é de CIENCIAS SOCIAIS e tem tres departamentos Sociologia, Antropologia e Ciencias Politicas - pelo menos foi o que entendi!

      Excluir
  5. Será que vai entrar mais uma cientista social para o time? hahaha
    Mas bem imagino que seja dificil oferecer conselhos para os filhos, mas sua ideia de terapia simplesmente me encantou <3 parabéns! muitos pais rejeitam tão opção e as coisas ficam mais complicadas ainda.
    (e mais linda ainda foi saber disso no dia do psicologo <3)
    Parabéns outra vez!

    Lindo final de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu faço terapia e me ajudou muito, entoa sou dos que acredita que um bom psicologo pode ajudar... e um ruim estragar!

      Excluir
  6. Qualquer semelhança entre as escolhas dela e sua história de vida NÃO é mera coincidência....rsrs
    A filhota ainda não encontrou o caminho dela, mas vai encontrar...
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada é coincidência.. nem vc ser canhoto! rsrsr! eu tb acredito que ela vai achar o caminho... mas é dificil ficar "sem fazer nada"!

      Excluir
    2. ei mocinho... vc "fechou" seu blog? eu tentei entrar e diz que "só está aberto a leitores convidados"... snif...

      Excluir
    3. Ser canhoto é coincidência....A ciência ainda não chegou a nenhuma conclusão porque um canhoto nasce canhoto.
      Fechei o blog sim.....Vou convidar vc e mais duas pessoas!
      bjs

      Excluir
  7. O futuro pertence aos que se permitem sonhar! ^^

    Não sou pai para te aconselhar, mas creio que dar um tempo, ter paciência, deixar a cabeça esfriar... podem ajudar a tomar boas e sensatas decisões. Também pode deixar os estudos em standby, tentando o mercado de trabalho e retomar quando se achar mais adequado ou necessário. Também fazer formações em línguas pode ser bom, porque se quiser estudar aqui na Europa, será útil saber ou ter conhecimento de duas ou mais línguas.

    Abraço :3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João, obrigado pelo seu coment, realmente deixar os estudos de lado por um tempo me parecem uma alternativa, mas eu acho de todas a pior, acho muito dificil a pessoa retomar, entrar de novo no ritmo... vou ate falar disso no proximo post! veja se concorda com meus argumentos!

      Excluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!