26 de agosto de 2018

solteiro x liberdade

Somos o que são nossos hábitos, certo? Juntamos várias atitudes que, repetidas diariamente, se transformam em rotinas mentais. Aceitando ou criando normas que norteiam as nossas condutas, criamos espécies de programas para agir automaticamente, deixando nossa vida mais prática. O problema é que nem sempre nos damos conta do que estamos fazendo, ou por quê.
Solteironormatividade é um conceito em volta de um desses programas. Significa, basicamente, valorizar, voluntariamente ou não, tudo aquilo que é característico de uma pessoa solteira. Mesmo não estando solteiro.
Nunca foi tão fácil estar disponível, mesmo quando não se quer estar. Isso é parte do resultado de um mundo que incentiva a liberdade individual – e não faria sentido algum se não houvesse por trás uma história inteira da reformulação das relações sociais, principalmente com a revolução tecnológica. É a vida nas cidades desde que vem sendo incentivada a autossuficiência emocional. Cada dia mais.
Seduzir, interagir e se expor a hora que quiser e bem entender não é apenas aceito, é festejado e instigado. Mas, e se por um acaso você encontrou alguém legal? Não acha que velhos hábitos devem mudar? Ou acredita que aquela sua foto aleatória sem camisa deitado na cama é realmente inocente?
Há no estar com alguém um infinito de possibilidades menos divulgadas pelos comerciais de bebidas. Um comportamento solteironormativo inflado e intempestivo pode te impedir de viver o bom de outros mundos. Não enxergar isso é prova de infantilidade e pode ser falta de preparo para a vida adulta.
Identificar costumes é difícil. Transformá-los, mais ainda. Mas pode ser bem fácil, sim, parar de curtir selfies de desconhecidos no Instagram. A forma como você trata abordagens, flertes e pessoas que adiciona em redes sociais diz um pouco sobre como você, talvez não queira estar ali, “amarrado”. Ou pior, traduz sobre como você deseja estar, mas talvez ainda não saiba…
O significado da liberdade não deve ser confundido com o de estar sozinho. Precisa ser entendido como ter responsabilidade em suas próprias escolhas. Sem medo, pois se você não está solteiro é importante ter maturidade para ser feliz a dois. Priorizar seu relacionamento é também uma forma de valorizar novas possibilidades e oportunidades de ser feliz.
Largue o osso, viva por inteiro e esqueça de todo o resto. Se por acaso um dia acabar, não tem importância: inúmeras aventuras estarão esperando por você da mesma forma que existe sempre o mar quando descemos da serra.
(texto encontrado na Internet, mas com que eu concordo muito!)

6 comentários:

  1. Gostei muito deste texto, bem verdade... As pessoas deveriam entrar em relação para construir algo a dois e não por medo de ficarem solteiras lolololol

    ResponderExcluir
  2. Bom, acho que a felicidade não está em ser comprometido ou descomprometido, até porque cada um tem uma noção diferente do que é felicidade, né?
    Mas se manter afastado de alguma coisa (ou de alguém) que indiscutivelmente já fez mal a você no passado é uma reação legítima e racional.
    Às vezes, vejo as pessoas se preocupando muito em ficar perto de quem faz bem a elas. E é claro que eu acho isso bom. Mas o outro lado também tem que ser posto em prática: as pessoas também tem que ficar longe de quem faz mal a elas.

    ResponderExcluir
  3. Sensacional. Este final é apoteótico. Pura sabedoria ...
    "Priorizar seu relacionamento é também uma forma de valorizar novas possibilidades e oportunidades de ser feliz.
    Largue o osso, viva por inteiro e esqueça de todo o resto. Se por acaso um dia acabar, não tem importância: inúmeras aventuras estarão esperando por você da mesma forma que existe sempre o mar quando descemos da serra."

    Beijão

    ResponderExcluir
  4. Sempre bom ler seus textos. Obrigado pela oportunidade.

    ResponderExcluir
  5. Hp meu querido...satisfação em revê-lo...mas seu texto me deixou com uma grande dúvida: você está solteiro????

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Identificar quais são as "normas" que tentam reger o coletivo e que de certa forma moldam uma sociedade cheia de hábitos embuídos em certas premissas que nos distanciam de condutas solidárias é um primeiro passo para refletir que não somos tão libertos assim...

    Boa escolha de texto...

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!