1 de dezembro de 2015

Constrangimento, Preconceito, e muito mais..


Outro dia fui fazer uns exames, coisa de rotina, e ai aparece aquela atendente que vem te perguntar: 
Tem diabetes? Já fez alguma cirurgia? Bebe? Fuma? patati? patata? . Eu respondo sempre no módulo "automático" NÃO SIM NÃO NÃO .... mas já saquei que algumas respostas vc tem que dizer SIM e outras NÃO, e elas são meio intercaladas, de forma a forçar vc a prestar atenção...
Eu respondi as perguntas e ela me pediu para aguardar numa cadeira ao lado. Foi então que chegou um rapaz, e outra assistente veio bombardear ele com as mesmas perguntas: 
Patati? Patatá? Faz uso de algum medicamento de uso contínuo?
E o rapaz respondeu: - Retrovirais 
Ela não perguntou mais nada, agradeceu e se retirou. Não me lembro se para mim esta foi a última pergunta também. Um médico (jaleco branco é sempre médico?) que estava sentado numa mesa levantou os olhos e olhou para o rapaz, que pareceu constrangido.

Foi então que notei que estava prestando atenção nas respostas dele, não prestar atenção seria difícil, uma sala aberta, com várias pessoas, zero privacidade... inclusive,  minutos depois, uma moça foi perguntada: "para que está fazendo este exame" e eu ouvi ela, tb constrangida, responder "hemorroidas"...
Eu já percebi que o pessoal da área de saúde, por achar tudo "normal", não se preocupa muito sobre esta questão, em geral há muita falta de privacidade em hospitais e laboratórios. Eu até confio no sigilo destes profissionais, mas e quem está ao seu lado e ouve? 

Acho que toda doença embute uma dose de preconceito e constrangimento, mas não há como negar que, no caso da AIDS, esta questão é muito mais séria. Realmente é uma doença grave, e todo mundo faz uma relação direta com sexo, promiscuidade, homossexualidade. O fato de ser tratável, porém incurável, assusta muito. 
Eu me angustio em saber que muita gente ainda se contamina, que ainda transa sem proteção. Acho incrível que a AIDS, e outras DSTs não sejam uma preocupação para algumas pessoas... Como eu já contei, eu sou da época que a AIDS surgiu, que muita gente morreu...
Nos EUA até existe uma recomendação expressa para que os homossexuais com vida sexual ativa - não monogâmica - façam uso de PREP ( Profilaxia Pré Exposição ) e até a FIOCRUZ está envolvida num estudo com voluntários neste sentido. Muitos defendem que a PREP vai evitar o alastramento maior do Vírus, pois as pessoas não se infectarão tão facilmente e o Virus vai "acabar" pois não vai ter novos hospedeiros... uma visão quase romântica do assunto... ou seria uma visão COMERCIAL do assunto?

Outro dia eu li um interessante artigo, acho que na THE ADVOCATE, que falava que é muito melhor você ter relações com alguém que sabe que é soropositivo, e se cuida, do que com alguém que desconhece seu STATUS, como eles dizem. Mas muita gente ainda se afasta de alguém que é soropositivo, até mesmo para ser amigo. 

Acho que a unica solução é conversar, falar sobre estes assuntos, tentar diminuir o preconceito, brigar para as pesquisas para o tratamento não pararem, tentar esclarecer os jovens, tentar combater nossos preconceitos... fico  bem perdido com tudo isto...




25 comentários:

  1. A verdade HHP é que o desconhecimento da doença, o medo e o preconceito ainda têm um peso muito grande na abordagem do assunto. Aliás, quantos de nós têm amigos gays hiv +, ou namoraram alguém com hiv+? Uma minoria. O normal é afastarem-se por terem medo de ficarem contaminados porque como escrevi, não somos pessoas informadas.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. O preconceito é a chama que alimenta a hipocrisia. Pode até existir desinformação. Sim ela existe. Mas insisto em minha tese. Existe mais preconceito alimentada pela hipocrisia.
    Isto não é de hoje e não se restringe à AIDS. Sempre existiu com todas as doenças venéreas e outras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim sim, muita gente tem aversaõ á doenças e seus sintomas

      Excluir
  4. Informação é tudo ! E ainda há realmente desinfirmação. Mas é bem frustrante, por exemplo, saber que jovens de grandes centros urbanos, que tem acesso a informação, não usarem deliberadamente preservativos e outros meios de proteção. Realmente como disse o Paulo, toda doença tem seu preconceito, mas concordo com você, que a AIDS ainda tem uma cartga maior !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e como fazer para os jovens entenderem isto? que tem que se proteger?

      Excluir
  5. Muito bom o post e seu ponto de vista....
    Há situações em que profissionais da saude nos expõem ao ridiculo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim, e nem percebem, acham tudo normal...

      Excluir
  6. Eu até gostaria e tentei algumas vezes amizades com pessoas com HIV. Só havia um problema: Como se sentiam muito isoladas, eram extremamente carentes e gostavam de draminhas e chantagens emocionais. Aí, eu caí fora. Mas continuo aberto a novas tentativas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. D. acho que tem getne de tudo quanto é tipo, conhece muitos soropositivos super de boa com a vida, sem nenhumproblema em se relacionar nem se faem de coitadinhos

      Excluir
  7. Minha resposta a esse post sópode ser a mesma do seu post de 2013!

    Nossa geração viu morrer de maneira trágica e indigna vários seres humanos contaminados pelo HIV. O que mais me entristece é a falta de conscientização dos jovens e de alguns nem tão jovens assim em desonrar a memória dessas mortes em relações perigosas.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. xi... estou me tornando repetitivo? com um ou doisposts por semana este de 2013 ja faz seculos! rsrsr nem lembrava!

      Excluir
  8. Trabalho na área da Sáude, e sabemos sim, que falta muito tato em alguns colegas, o que é bem triste, este tipo de exposição desnecessaria é muito comum!

    Graças aos céus, minha equipe aqui, é bem ciente do modo correto de agir, mais sim muito preconceito ainda existe!

    Infelizmente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sorte sua que sua equipenao da problema, eu fiz um reclamação extensa neste laboratorio

      Excluir
  9. Gostei muito de ler o seu ponto de vista, muitos parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ás ordens Audrey! nem certo nem errado, apenas o que penso!

      Excluir
  10. Um dos maiores males que qualquer enfermidade causa é atingir a dignidade de uma pessoa. E aquelas camisolas abertas atrás no hospital ou mesmo pra determinados exames? E se precisar de ajuda pra se locomoves vai sentir dois tipos de olhares: lá vem o coitadinho,ou o "merda" vou ter q dar meu lugar. Fácil não.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que horror! so mesmo ue passa por estas coisas sente na pele! os de fora temque apenas lutar para melhorar!

      Excluir
  11. Temos que crescer um pouco mais e saber lidar com as realidades dos outros e eles precisam disso, digo eu que nada sei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ainda temos que crescer MUITO mais eu acho! mas não deixemos de tentar nãoé?

      Excluir
  12. O preconceito e o tabu são as maiores armas que o HIV tem contra nós. As pessoas no geral também são descuidadas - na hora do tesão, pensam com a cabeça de baixo e não com a de cima e ainda temos os que querem ficar contaminados e quem queira contaminar o maior número de pessoas possível. Prevenção, é sem dúvida a maior aliada, mas havia de existir uma rede de sensibilização não só para falar sobre a aids mas também para ajudar quem já tem, desmitificar as coisas, deixar de haver esse tabu e preconceito feio, etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é Mikel, mas na pratica é mais facil falar, os indices de containação entre os jovens so aumentam

      Excluir
  13. Trabalho no meio de saúde e fico puta da vida que ainda há muito preconceito com as pessoas infectadas pelo HIV até nesse meio.

    Outra questão são os jovens que praticam sexo sem proteção. Também não consigo entender, já que falta de informação não é. Ou talvez seja, falta de informação de que o HIV ainda mata e é uma doença sem cura.

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!