20 de outubro de 2016

O abuso nosso de cada dia...

Resultado de imagem para gay abusive relationshipComo nada é por acaso... há uns dias eu assisti um vídeo no YouTube do canal JOUT JOUT PRAZER que falava sobre relacionamentos abusivos... nem sei bem como cheguei nela... acho que foi por conta de uma entrevista que ela deu ao Jô Soares... 

Para ver o vídeo a que me referi clique AQUI - vale a pena!

O que mais me marcou no vídeo, que pelo que entendi tinha muitos insights autobiográficos da protagonista, foi ela enfatizar que muitas vezes a pessoa está num relacionamento abusivo e não sabe... ela até encerra o vídeo recomendando que ajudemos alguém que está vivendo um relacionamento deste tipo a sair dele!
Eu passei por muitas coisas que ela conta, incluindo "brigar por coisas que nem sei e sempre achar que eu estou errado". Eu me identifiquei muito com várias coisas que ela disse, pois eu vivi um relacionamento abusivo e - acho que - não sabia! Não era um relacionamento com violência e agressões, era mais uma certa "dominação psicológica" que de certa forma eu mesmo alimentei!

Acho que no meu caso eu não posso creditar toda a situação que passei unicamente á postura do meu ex. Eu reconheço que eu vivia uma questão pessoal, do ponto de vista psicológico, que levou a isso. Eu tinha um certo sentimento de "não valorização", de que eu só "seria feliz se estivesse junto com alguém" e que "eu tinha que fazer de tudo para dar certo porque senão ninguém ia querer ficar comigo", talvez o nome fosse "baixa auto-estima"
Então, de certa forma, eu me deixava abusar. E ainda havia a questão do ciúmes... que também é uma armadilha que vai te enrodilhando na questão do abuso... porque você sempre tem a tendência de "ser compreensivo" com o ciúmes ( e o controle que o outro tenta te impor) achando até "bonitinho" ele gostar tanto de você que quer sempre você "por perto"
Eram ameças de rompimento, de abandono, de separação, eram "greves silenciosas", e tudo isso me abalava profundamente.
E é uma espiral, um redemoinho de areia movediça, você nunca sabe por onde escapar, por onde começar para mudar... e vai ficando cada vez mais envolvido..

Hoje em dia eu fico bastante atento a isso, comigo, com as pessoas á minha volta. São pequenas "armadilhas mentais" que você se impõe sozinho a maioria das vezes.

Resultado de imagem para gay couple cartoonCom o Mr Jay - o meu maridinho - eu sinto que corro pouco risco disso acontecer, pois, apesar dele ser muito crítico e incisivo (cáustico eu diria) na sua postura de vida, eu percebo que comigo ele está sempre preocupado em defender meu espaço. Se eu ameaço não ir para a aula, para aproveitar um dia que ele está em casa, ele prontamente me lembra o quanto eu gosto do meu curso, o quanto volto animado das aulas - o que não quer dizer que quando chega 22:30 ele não começa a mandar carinhas tristinhas em msg dizendo para eu voltar logo.... ele inclusive me defende de outros abusos, aliás muitas vezes ele parece acreditar que eu não sei me defender...me protegendo até da minha filha - porque, saibam vocês, os filhos ás vezes "abusam" dos pais! Ele é ciumento, mas mais do tempo junto comigo, de eu ter que me dividir em meus outros assuntos, mas sem exageros, eu não deixo de fazer nada que preciso, ou quero, como acontecia antes.
Mas isso, tenho quase certeza, também acontece dessa maneira entre nós  porque eu aprendei a "me defender", a acreditar no meu valor, a saber tudo que eu também ofereço ao relacionamento, que eu sou "gostável", que eu escolhi estar com ele, me casar com ele, eu não precisava, eu queria! E ele escolheu casar comigo, estar comigo... talvez a consciência do amor - talvez diferente da sofreguidão da paixão - é o que evita um relacionamento abusivo...

E você ? Já vivenciou um relacionamento abusivo? Conhece quem já passou por isso? O que aconselhar?





16 comentários:

  1. Acho que de alguma forma todos já passaram ou passarão por isto em relações afetivas. Sempre, de um lado e de outro haverá uma certa tendência de levar para a relação nossos conflitos interiores. A chave para resolver isto está na maturidade das mentes e na maturidade progressiva da relação, muito bem definida por você quando diz: "E ele escolheu casar comigo, estar comigo... talvez a consciência do amor - talvez diferente da sofreguidão da paixão - é o que evita [ou termina] um relacionamento abusivo...".

    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. è isso ai Bratz! vamos celebrar o amor e nossas escolhas!

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  2. Olha...

    Eu creio que não possa dizer que tenha vivido um relacionamento abusivo, mas como diz um amigo, eu tenho que agradecer meu anjo da guarda porque ele tem trabalhado bem. Você menciona algo que eu acredito que é um ponto crucial nessa questão, nossas inseguranças, nossos medos, por vezes são nossos maiores carrascos e fazem com que sejamos condescendentes com atitudes que no fundo não nos fazem bem. Por isso achei bem bacana você pontuar que não colocava toda a culpa "no outro".

    Infelizmente acredito que hoje temos muitas pessoas vivendo relações abusivas por medo de ficarem só, por insegurança, ...

    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não podia colocar a culpa no outro não é tinman, EU SEI BEM QUE EU ALIMENTEI e deixei acontecer tudo isso! mas enfim...

      Excluir
  3. Wagner8:47 PM

    Sim, eu passei por um bem longo. Muitos anos (7 anos). Eu com auto-estima na sola do pé, o outro, um quase psicopata: a tempestade perfeita...

    Deu trabalho, mas consegui me livrar. Hoje, relembro alguns momentos e acho incrível como eu me deixei passar pelo que passei (chantagens de várias formas, agressão verbal constante e insistente). Foi tão intenso que cheguei a perder um pouco a noção da realidade.

    Enfim, hoje, quero crer que todos que passam pela nossa vida nos ensinam algo. Aprendi muito com o que passei(ainal ele não teria abusado se eu não tivesse deixado). Mas doeu...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. só o aprendizado nos pode proteger! e isso é muito FODA não é wagner?

      Excluir
  4. Penso que é muito importante saber distinguir e muito bem, como tu dizes, entre a sofreguidão de uma paixão, a baixa auto-estima e o amor. Mas isso também se ganha com o tempo, com a maturidade e com a experiência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a questao Joao, é que enquanto nao vem a maturidade... obrigado por teu comentario! abraços!

      Excluir
  5. Nunca vivo um e ver alguém numa relação com essas características deve de ser agoniante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A G O N I A N T E... esta é uma boa palavra para quem está por perto! obrigado pela visita!

      Excluir
  6. Olá, meu amigo!

    Mto agradeço sua visita e comentário deixado, lá no blog. Você conheceu a temática de meu blog, meu apreço pelo sexo oposto, e eu sei ao k vim, tb. Pra te falar com sinceridade, não é fácil a sociedade, e nela me incluo, aceitar a diferença, seja ela de k género for, mas, como minha mãe dizia: toda a gente é pessoa e como tal merece ser respeitada.

    Como você tb sabe, ou se nasce menino, menina ou com os dois sexos, um + desenvolvido k outro, os chamados hermafroditas, portanto, ninguém nasce homossexual (gay, termo inglês k significa alegre), conceito aplicado ao sexo masculino, ou lésbica, aplicada ao feminino. São muitos, mas muitos os fatores, que levam a essa opção/orientação sexual. Pena é que vocês se fechem, não se assumam, não comentem blogs diversificados, como você fez e faz e comentem sempre os mesmos. Está errada essa atitude, pke estão criando "guetos" à volta de vocês próprios e depois alguns se lastimam e acham k se devem calar e permanecer no mundinho deles. Todos os seus comentadores só comentam outros k têm a mesma orientação sexual. Mas porquê? Eu sei k têm receio de serem discriminados, de perder amigos e emprego, etc. mas as mentalidades estão mudando, embora essa mudança leve séculos a ficar quase concluída. Em muitos e muitas lhes falta naturalidade, APENAS ISSO!

    Já conhecia seu blog, não mto profundamente, acrescento, mas tenho lido comentários seus, desabafos, que me fazem pensar e mto.
    Seus comentadores, tb já os "conheço", sobretudo o Paulo Braccini, esse há alg. anos e o Latinha, mais recentemente (desculpa eu abreviar palavras, mas esse ano fui operada à mão dta 2 vezes e tenho de a poupar, pke a esq. começou em julho, desse ano, a dar sinais de k não está bem. Sofro de tendinite estenosante e de contratura de Dupuytren, problemas que só a cirurgia resolve.

    Li seu texto com mta atenção e estive assistindo ao vídeo k recomendou e k tem a duração de 8m e uns segundos. Que dizer de tudo isso? Bem, vamos por partes, pke eu tenho formação superior em Humanidades e em Psicologia, tb, mas não sou psicóloga.

    Seu post é a descrição, na 1ª pessoa, de uma realidade que homens e mulheres vivem, em todo o mundo. Se trata de sentimentos e não saber se é homem com homem, mulher com mulher ou homem com mulher. São pessoas e isso me basta.

    Lamento tudo aquilo k você passou com seu anterior relacionamento, mas compreendo sua demora em dar o fora. Acontece com 90% das pessoas, homens e mulheres, abusadas, dentro ou fora de casa, mas um belo dia, as pessoas "acordam" e tomam uma decisão k é normalmente irrevogável. E ainda bem, k assim é!

    Fico feliz por saber k agora você acha que encontrou a pessoa certa, mas tenha cuidado, pke, inexplicavelmente, as pessoas, em matéria sentimental, mudam a "rota", inexplicavelmente.

    Qto ao vídeo, o achei mto interessante e ela, que mais parece uma atriz é bastante direta, explícita e sabe esmiuçar o assunto e aconselhar, nesse caso, outras mulheres.

    Qto à sua questão, posso te responder k conheço alg. casos de violência doméstica, verbal ou física ou as 2 coisas, que têm, na maior parte das vezes, e com ajuda, um final feliz: cada um pra seu lado e a vida é pra frente, sempre.
    Felizmente, comigo esteve e está tudo mto bem, nesses aspeto. Eu sempre fui mto livre e pouco dada a paixões, a amores e sou mto feliz por ser como sou.

    Um beijo para você com mta estima e consideração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado CEU por seu longo comentario, fico feliz que vc esteja lendo e tentando conhecer mais sobre a questão da homoafetividade e sobre a questão de genero! obrigado pelas palavras carinhosas!

      DICA: para vc "economizar" seus dedinhos na digitação exista opção de DITAR os seus textos, suas mensagens, acessando a partir de um celular ou tablet vc tem sempre, junto ao teclado, um pequeno microfone para poder ditar o que quer escrever, com um pouco de treino sai perfeito!

      Excluir
  7. Os meus parabéns a você por não ter os comentários no seu blog sob aprovação.

    Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  8. Honestamente já passei por alguns relacionamentos beeem complicados, com pingos de abuso e coisinhas mais. Felizmente agora com outras energias e tudo vai caminhando bem, porém me tornei uma pessoa - ou estou passando uma fase - bem ciumenta, até eu fico irritada com meus sentimentos... mas felizmente estou com quem me compreende e diz que isso logo vai passar, já que foram alguns episódios que me deixaram assim.
    Que voce tenha uma boa semana.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Sara por seu comentario... espero que vc consiga em breve controlar o seu ciumes... o parceiro sofre muito com isso! posso te garantir!

      Excluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!