13 de setembro de 2016

Nós queremos ser NORMAIS?

Resultado de imagem para normal
"Mãe, o que é "normal"
" É só um ciclo da secadora querida"
Até que ponto somos NORMAIS, ou queremos parecer NORMAIS?

Neste final de semana eu descobri a série THE NEW NORMAL na netflix. Pelo que eu li a série é de 2103, então muita gente deve ter assistido...

Mas para quem não conhece vai um pequeno resumo: Um casal gay de Los Angeles, bem sucedido e rico,  resolve ter um filho e optam pela barriga de aluguel. Eles acolhem na casa deles a moça que vai gestar o filho, junto com a filha de 8 anos dela, mas tem que aturar a avó dela que é extremamente homofóbica (uma interiorana de Ohio) e contra o fato que da neta gestar o filho de um casal de homossexuais.  O enredo gira em torno do casal, as preocupações dos futuros pais com a gestação,  da sua relação com a família e com a sociedade.
A série faz um esforço sincero de mostrar o casal gay e suas relações familiares como algo NORMAL, não no sentido que eles são iguais aos outros, mas que eles são diferentes, mas as pessoas podem aprender a encara sua família com naturalidade.

Das séries de temática LGBT dos últimos tempos essa foi a que mais me agradou. Ela mostra conflitos que parecem bem reais, bem sintomáticos, desde a recusa do Padre em oficializar o casamento deles até um deles ser expulso dos "boy scouts" por outro pai considerar que ele tinha um comportamento que podia influenciar o filho - a "normalidade" do casal assustou. Além de outras pequenas histórias paralelas.

Resultado de imagem para normal
Pessoas normais
me assustam!
Enquanto eu assistia eu pensava, naturalmente,  na questão de ser NORMAL... De praxe a palavra NORMAL é encarada pelos LGBT como algo pejorativo, nós não queremos ser aceitos como NORMAIS, posto que não nos consideramos ANORMAIS. 
Mas o NORMAL está sempre rondando...Outro dia uma pessoa perguntou para minha mãe: "como é ter um filho gay" e ela respondeu normal, é como ter um filho qualquer"...

Uns dizem que os LGBTs querem simular uma "normalidade" para serem aceitos como iguais, outros que não é preciso pedir isso, porque não existe nada NORMAL, todos são diferentes (e iguais) ao mesmo tempo. Tem gente que diz que os LGBTs querem casar e ter filhos para mimetizar a heterossexualidade, outros que amar, querer ter família, é natural do ser humano, independente de seu gênero, da sua orientação sexual.
Até que meu casamento foi uma busca de "normalidade" eu já ouvi...

Na maioria das vezes é muito mais confortável para nós ter um conceito de normalidade estabelecido, a normatização das coisas é boa. Criar "standards" para podermos comparar é muito bom, pois podemos fazer escolhas... a questão é que no caso das pessoas não existem padrões, não existem normas perfeitas. Pessoas são "anormais" porque cada uma delas encerra um pequeno universo, mas todos sabemos que o normal não existe...
Eu não quero ser visto, aceito, como NORMAL, eu quero ser apenas EU e pronto, com minhas qualidades, meus defeitos, aceito com naturalidade, com carinho, com respeito!

O interessante é que a palavra NORMAL é um adjetivo de dois gêneros, sem existir masculino (normalo!!) ou feminino (normala!!) ou seja, a não distinção de gêneros é absolutamente NORMAL! 


E você? tem problemas com a palavra NORMAL? Ou busca ser NORMAL?


Resultado de imagem para normal


9 comentários:

  1. Tenho total ojeriza a este termo "NORMAL"! O que é ser "NORMAL"? Não, não sou e nem quero ser "NORMAL" como sinônimo de mediocridade, que o sentido que me vem à cabeça quando escuto este termo: "NORMAL"!

    Perfeito isto: Eu não quero ser visto, aceito, como NORMAL, eu quero ser apenas EU e pronto, com minhas qualidades, meus defeitos, aceito com naturalidade, com carinho, com respeito!

    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Normal ou não Normal não me incomoda.
    Pessoalmente acho que é apenas um jogo de palavras.
    Normalidade significa uma conduta ou comportamento frequente utilizado por um grupo inserido dentro de uma cultura social de um tempo histórico específico e que determina a aceitação(ou não aceitação) de um indivíduo por desse grupo.
    Talvez a palavra mais importante aqui seja essa: ACEITAÇÃO.
    Todo ser humano busca ser aceito dentro de um grupo. Se existe uma coisa que o ser humano abomina é a solidão e vai lutar com unhas, dentes e, infelizmente, até com todas as perversões que puder para ser aceito dentro de um grupo.
    Ser EU mesmo implica(principalmente nos dias atuais) em ter a ideia um tanto cruel de que podemos fazer o que bem entendemos e seremos aceitos por todos.
    Triste engano.....
    Ninguém pode ser totalmente EU ou corre o risco de ser colocado no ostracismo.
    Então inventamos o jogo de palavras "Normal" ou "Não Normal"......(inclusive dentro do tacanho mundinho gay).
    A bandeira da rebeldia infantil muitas vezes aparece dentro desse contexto.... O contexto de desejar ser aceito por um grupo e depois de aceito estabelecer regras NORMATIVAS para proteger esse grupo.
    Isso acontece com qualquer gênero.... Hetero, Homo, e as milhares de confusas derivações desses dois termos.
    Para sermos aceitos precisamos abrir mão de acreditar que TUDO POSSO ou que TODOS TEM DE ME ACEITAR.
    Alguma parte desse EU vai ter de se adaptar às normas ( normalidade ) do grupo.
    Cada vez que empurrarmos nossa normalidade para os demais seremos empurrados de volta e não seremos aceitos.
    Cabe a cada um saber o preço a pagar por essa aceitação.
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Anônimo7:49 PM

    Adorei a série! Assisti antes de passar na netflix, via na Fox e on-line!
    Nick

    ResponderExcluir
  4. Oi, questões muito interessantes. Achoque todos temos conceitos do que seja normal ou não. Se compreendermos que é um conceito subjetivo isso poderia nos contar um pouco sobre quem somos, não? Do mesmo modo( a partir do que escreveu o José) se pensarmos em que grau nos submetemos a condições, situações ou pessoas em busca de aceitação. Sobre as acusações de casar como se fosse um "busca por normalidade" que tu ouviu, quando comecei a namorar e depois casei com uma mulher houveram reações negativas (ou de ironia/escárnio) por parte de amigos gays, pelo mesmo motivo.

    Aproveitando: estive muito tempo fora dos blogs (inclusive do meu) e somente hoje vi alguns comentários que tu postou lá. Desculpe pela falta de resposta, deixando resposta lá em 3, 2, 1...

    Abrção

    ResponderExcluir
  5. Wagner7:08 AM

    "Que os outros sejam o normal"!
    Eu só quero andar na rua em paz, sem apanhar ou ser xingado...

    ResponderExcluir
  6. Eu gosto de ser diferente. Não excêntrico, mas adoro a minha individualidade. claro que por vezes me custa, porque nem sempre encontro pessoas com gostos sequer parecidos com os meus, mas é melhor assim do que fingir gostar de algo, só para fazer parte de um qualquer grupinho ou ser aceite pelos outros.

    ResponderExcluir
  7. Eu vi a série, e até achei muito engraçada e nada mais que isso, e o que posso dizer acerca do ser "normal" acho que todos nós caminhos para uma "anormalidade" seja na imagem ou nos atos e omissões. SE dermos o sentido que a palavra implica, estaremos a rotular meio mundo.

    ResponderExcluir
  8. Anônimo12:29 AM

    O que é ser normal ? Esta é uma pergunta difícil de responder. O seriado os normais é muito interessante porque aquilo que é diferente , se torna hilário , então ser anormal é normalidade. Com relação ao universo gay , ser " normal " , eu concordo com o colega , que citou a questão da aceitação , acho que vai para esse lado. Eu me considero um anormal na normalidade ou normal na anormalidade.

    ResponderExcluir
  9. Ótima reflexão, fujo na normalidade, o que busco é ser Natural, o que vem da sua essência, o que é verdadeiro pra si.. Abs

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!