14 de maio de 2014

a tal ....familia extendida

Familia é uma terminologia que envolve muitas definições. A biologia usa a definição na sua catalogação das espécies por exemplo...e existem dezenas de outros usos...
Eu, quando eu falo em família, sempre lembro da FAMILIA DÓ RÉ MÍ e tenho certeza que o Mr. Kincaid, agente deles, era gay! Para quem não conhece, era um misto de GLEE com comercial de margarina!
 
Minha família é formada basicamente por mim e minha filha, mas minha "família extendida" engloba
meus pais, meus irmãos, seus filhos, meus primos e tios... todos vinculados por graus de parentesco diversos (vejam que disse parentesco e não sangue!)
O namorado, o marido, entram na família, e consequentemente seus parentes entram na família extendida, e de certa forma, o processo de ser introduzido (ui!) na família é quase como um processo de sair do armário novamente. Quando você apresenta o namorado para seu pai, para seu irmão, é como se você dissesse :
-"ei, apesar de você não falar muito deste assunto está lembrando? eu sou gay! eu continuo gay!"
A Edith Modesto sempre diz que: "quando o filho sai do armário que entra no armário é a família, que tem que aprender a lidar com isto"
 
Na minha família acho as coisas são bem tranquilas, e isto é mérito meu (tenho que me orgulhar disto não?) que nunca deixou ser rotulado ou diminuido por este fato - ou nenhum outro. Mas também é o espírito de uma família de ascendência "vira-lata", que tem desde portugueses quatrocentões até italianos que vieram trabalhar nas fábricas dos Mattarazzo, e tem como base a afetividade, o cuidado uns com os outros, o acolhimento de quem chega. - mesmo que não seja namorado do irmão gay!
Do meu lado, na minha família extendida e na minha família de escolha, eu vejo (e exigo se precisar) que o Mr. Jay é tratado como família, inclusive sendo alvo das brincadeiras e pegações no pé como outros. Eu ja vi isto em vários ambientes familiares, aniversarios, natal, domingos...
Mas sei que tem muita gente que não consegue isto, que sofre muito por não ter isto, não ser aceito e não ter sua família acolhida pela sua família de origem...
 
E para você? Como é a relação da sua família com sua família extendida?
 
 

8 comentários:

  1. Minha família "estendida" até que é curta: mãe, irmã, namorado e ex-marido. Não conheço ninguém da do namorado. Mas do ex conheço todo mundo, dentro do armário. Não me fez falta mais que isso.

    ResponderExcluir
  2. Minha "familia estendida" é muito mais presente em minha vida. Nela estão os amigos verdadeiros que eu conquistei durante minha trajetória!
    O que aconteceu comigo foi o inverso, apesar de que na infância ser criado com meus primos eu sai de casa aos 20 anos e desde então estou na estrada. Só voltei a ter algum contato com meus familiares aos 30 anos, depois que minha faleceu! Hoje nossa relação é de respeito. Nos vemos pouco, nos falamos pouco. Por isso meus amigos mais próximos são na verdade minha verdadeira família!

    ResponderExcluir
  3. Tinha família grande que diminuiu drasticamente, mas a estendida supre tudo oq é necessário para se viver com a certeza do apoio nos momentos difíceis...tenho as famílias e as mães do coração. Pessoas que escolhi pra minha vida, que me fazem bem. Não são de sangue, mas são família. Qdo se perde a mãe, procura-se em tantas outras um resquício de amor para não viver desiludido. Só me falta filhos...rs. Abração.

    ResponderExcluir
  4. A minha é q nem a sua ... tudo funcionou e funciona a contento ... nunca enfrentei problemas com nada q diga respeito a minha orientação sexual nem com relação ao marido ...

    Acho q o motivo vc definiu bem ... igualzinho a vc: "Na minha família acho as coisas são bem tranquilas, e isto é mérito meu (tenho que me orgulhar disto não?) que nunca deixou ser rotulado ou diminuido por este fato - ou nenhum outro. Mas também é o espírito de uma família de ascendência "vira-lata"!

    ResponderExcluir
  5. Olha... Como não saí do armário faz muito tempo (coisa de um ano e dois meses) não sei se a minha família estendida sabe do que aconteceu... Tenho uma prima que sabe e me dou super bem com ela. Mas não me importo com este assunto quando há festas de família em que a minha participação é quase rara. Mas quando estou lá não sinto a necessidade de saberem que eu já estou fora do armário.

    ResponderExcluir
  6. Eu não tenho família no sentido que vc usa, estou sozinho, sem pessoas próximas. Mas existem meus pais e irmãos que tem suas vidas separadas da minha porque, como gay, eu não podia viver no mundo deles.
    Também existem os amigos. Poucos e que moram todos longe de mim tb. Então, de fato, sou somente eu, os gatos e minhas plantas.

    ResponderExcluir
  7. O meu conceito de família também é diferente. Embora tenha pais, nunca tive grande relação com eles, até porque meu pai queria uma menina e nasci eu...

    Acabei sendo criado pelos meus avós e hoje em dia minha família é minha avó e alguns amigos. :)

    Abraço :3

    ResponderExcluir
  8. Eu acho engraçado que minha sogra não fala no assunto, mas me agradece pela força que dou ao Mr. V. Meu sogro, separado dela, é mais aberto. Fala comigo abertamente, exige minha presença e magoa-se quando eu não posso estar presente. No meu lado da família, meus primos jamais tiveram problema em aceitar meu "escolhido" é vejo, como vc mesmo descreve, as pegações de pé e as encheções de saco. Aliás, muito mais com ele, do que comigo mesmo. Meus pais, contudo, preferem não falar no assunto. Apesar de estabelecerem uma relação cordial, ainda tem problemas em me aceitar como o filho único gay que tem uma relação estável com outro cara desde 2005. Contudo, expressam genuína preocupação quando ele fica doente ou quando percebem que tivemos alguns atritos. Minha mãe, como toda boa sogra, já falou "não brigue com ele, ele é tão bonzinho". Ou seja, é uma relação familiar. Pode não ser a mais desejável ou a mais perfeita, mas é familiar.

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!