8 de abril de 2015

Casamento serve para que mesmo?


Para quem vive em marte e não está sabendo... uma parte da trama da novela Babilônia gira em torno de um casal de lésbicas (Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg), que vão se casar, numa grande festa, após décadas vivendo juntas. 
Isto, e também a estabilidade de meu relacionamento com Mr. Jay, tem me feito pensar muito em casamento.

Eu sou de uma geração de homens gays que conviveu por décadas com a certeza que não seria possível casar, que as leis nunca aprovariam o casamento entre dois homens. Então, de certa forma, cristalizou-se em mim a ideia de que eu "não iria me casar". Nunca fiz planos para isto, nunca tive fantasias com relação á cerimonias, á igreja... como é normal as pessoas fazerem. Do mesmo jeito que durante muitos anos eu tinha desistido da ideia de ser pai

Não que eu não fui capaz de assumir meus relacionamentos de forma absolutamente concreta e encarar muitas vezes a sociedade de frente. Eu e o F. passamos a usar alianças na mão esquerda quando fomos morar juntos, e eu sempre o apresentei ou como "namorido" ou  como "como se fosse meu marido" (falando exatamente deste jeito) para pontuar que eu o considerava marido apesar da lei não o permitir.
Na minha geração de homens gays, mesmo as pessoas estando envolvidas em longos relacionamentos, do ponto de vista legal eles eram... "solteiros". Há alguns anos houve o advento das parcerias civis, o que já mudou parcialmente o status das relações, mas foi somente com a validação do casamento igualitário (ainda que não seja lei) que as coisas efetivamente mudaram do ponto de vista legal.
É CLARO que eu sou totalmente a favor do casamento! Não só pelo simbolismo como pelos direitos que se adquire. Eu apenas não tinha parado para pensar que EU poderia me casar! E, como vocês sabem, mesmo assim eu nunca fiz o perfil de "solteirão convicto", muito pelo contrario. 
Por mais que você se sinta responsável pela pessoa, compromissada com a pessoa,  colocar isto num papel oficial deve ter um peso. Você ser chamado a, por exemplo, opinar sobre a saúde da pessoa num momento crítico, ou ser arrimo de uma família num outro caso, deve ter um peso enorme quando você documenta isto. Mas eu sempre senti que eu nunca precisaria de um papel, porque eu sempre agi assim, meu compromisso no "fio do bigode" é para valer. Não acho que eu seria menos pai, ou menos marido, com a presença ou ausência de um papel....
Será que eu me fiz entender?  Talvez seja uma coisa libertária, meio ANOS 60, ou talvez seja só medo de alguma coisa dar errado por causa do papel, não sei bem...

Mr. Jay tem vontade de se casar, já conversamos a respeito. Ele tem vontade de se casar com tudo que tem direito: festa e lua de mel inclusos no pacote. O que num primeiro momento até me surpreendeu, pelo fato dele ser jovem, pelo fato dele ser gay, pelo fato dele nem ser tão religioso... mas ele argumentou... 
"- Qualquer casal que namora fala em casamento! Porque entre gays deveria ser diferente?"
TOUCHÊ! 
E não é que ele tem razão? Imagino que com todos os direitos adquiridos atualmente os jovens e as jovens homossexuais pensam naturalmente em casamento. Não há mais um impedimento legal (embora ainda existam barreiras sociais), do mesmo jeito que eu imagino que eles pensam naturalmente em ter filhos... ou por inseminação, ou por adoção... Será que está na hora de eu "rever meus conceitos"?
Sinto que nesta altura de minha vida o casamento não teria todas as implicações que teria na vida de um jovem casal, pessoas em começo de vida, quando se está construindo as coisas, mas teria sem dúvida um grande impacto social, em especial no meu entorno mais próximo, faria com que as pessoas tivessem que se posicionar! E não vou dizer que isto não me é agradável, marcar posição e território, a meu ver, dá espaço para outras pessoas respirarem. Fortalece uma ideia, melhora a auto estima de todo um grupo.

E você o que acha? Quem não casou ainda está querendo casar? E quem casou, valeu a pena?



28 comentários:

  1. Habitante de marte: presente! (rs) Tá certo, ando tão fora de órbita, que não faço a menor ideia do que seja essa novela. Agora, casamento... entendi, na própria pele, o que você escreveu! Oficialmente eu não me casei. Mas, tivemos alianças, vários “casamentos” (um mais lindo que o outro!), sempre na informalidade. Então, o que eu acho? Se fosse hoje, eu faria um festão, com direito a tudo! Simples assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu achei muito legal isto que disse, "vários casamentos"... acho que isto de renovar os laços sempre é muito legal! obrigado pelo comentario!

      Excluir
  2. Habitante de marte[2]: presente! rsrsrs

    Eu vivo em "união estável" faz 3 anos e foi bacana formalizar tudo em cartório. Valeu a pena por tudo. Pelo simbolismo e pela maior garantia de direitos. Pelo impacto positivo que isso gera na sociedade (muita gente passou a olhar de outra forma meu relacionamento quando decidimos formalizar as coisas, tornei-me meio que "referência positiva" de alguém "casado" com alguém do mesmo sexo, inspirei alguns casais próximos a fazer o mesmo, etc.). Por me dar ao luxo de viver uma formalidade boba e que só tem o sentido grandioso pra quem está vivenciando o momento... Não tenho nenhum arrependimento!

    Obviamente, eu recomendaria, pois não vejo pontos contra. Mas, cada um tem que fazer a própria análise. Até porque, dentre muitas possibilidades, tem aquela coisa, né? Quem escolhe casar também tem que pensar na possibilidade (e, neste momento, todos torcemos para que ela seja remota) de querer se "descasar" e que consequências isso traria...

    Pra quem já se decidiu mesmo pela união estável, eu tenho até um post com dicas sobre isso:

    http://umpotedeouro.blogspot.com.br/2012/02/de-papel-passado-ou-dicas-para-sua.html

    Seja qual for a sua decisão, que ela seja acertada!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu li seus posts, inclusive aquele NUNCA VOU USAR ALIANÇA! rsrsrs eu e Mr. Jay ja estamos usando! Obrigado pelo coment e pelo guia rapido de casamento.. vai ser util

      Excluir
    2. Acredito que a questão sobre um casamento civil de papel passado tenha muito mais a ver com o que isso passou a produzir na vida das pessoas que o tem com o passar do tempo do que com uma obrigação em si. Compreendo que ninguém seja obrigado a se casar, no entanto quem se casa do ponto de vista legal passa a contar com coisas que casais que possuem não possuem um contrato formal possuem. Enfim, se eu namorar é pra casar de papel passado.

      Excluir
  3. Quem precisa rever os conceitos sou eu...gostei do post, principalmente na parte que questiona, se existe o namoro, existe o sonho de casamento intrínseco e que será normal, é normal se pensar e realizar. Neste país somos regidos por leis, e já existe uma lei, quanto a questão do povinho, daí vai da coragem de cada um. Um post relevante.

    ps.Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado pelo coment Jair! que legal que ele te fez pensar... é sempre bom rever conceitos não é? abs

      Excluir
  4. Perfeitamente. Assim como você tamb´me nunca me interessei pelas coisas do "casamento". E no meu caso foi pior; passei 10 anos pulando de galho em galho. Até quem belo dia, ridiculamente num 1º de abril (risos). Fui fisgado, envolvido e consquistado por um cara super, hiper, mega especial. Estamos juntos ha 13 anos e pensamos em formalizar a nossa união.
    Vale dizer que nesses 13 anos, só aumentou o respeito e o carinho dos amigos tanto gays quanto héteros
    Beijão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quer dizer que tem mais gente pesando em casar Gera? rsrsrsr, obrigado pelo coment! abraços!

      Excluir
  5. Desculpa meu amigo, mas vou ter de dar um "puxão de orelha" !!!

    Você fala do casamento como um ativista político!
    Qual será o impacto social benéfico para a comunidade gay se vocês dois casarem......
    Posso garantir para você........ NÃO TERÁ IMPACTO ALGUM!
    A função social de um casamento hoje em dia é equiparado a importância da monarquia no mundo moderno, ou seja: é apenas uma figura de alegoria de tempos passados quando o valor ético/moral era completamente diferente de hoje!

    Se você pensar no impacto social estará perdendo o significado simbólico que já existia no seu casamento anterior....
    Usar uma aliança no dedo implica em ter-se uma aliança com a alma de outra pessoa....
    A lei apenas nos deu a possibilidade de sermos reconhecidos pelo Estado, mas um CASAMENTO REAL é antes de mais nada SER RECONHECIDO PELO AMOR!!!!
    Levante a bandeira política / social em outras horas!
    O AMOR É APOLÍTICO!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxão de orelhas SEMI-aceito nobre José! relendo o post vejo que realmente não falei do amor - justo eu - mas acho que não falei porque para mim estava IMPLICITO o fato que eu só falaria em me casar com alguem que amo... sorry... Concordo em todos os graus com você! O AMOR tem que ser o principal motivo para ficar junto de alguem, fazer planos com esta pessoa, ter perspectiva de futuro e, INCLUSIVE, casar com ela... e este é meu motivo para pensar em me casar! Estava falado do casamento enquanto fato "per si"!
      Você é o cara Jose Soares! sempre atento! Pelo pouco que te conheço até achei que foi bem light na bronca! rsrsrsr

      Se bem que outro bom motivo muito bom para casar seria se o Mr. Jay fosse um principe - russo ou ingles - com um castelo na Toscana e uma conta de 7 digitos na suiça... porque não tem nada mais chique que uma monarquia decadente não é mesmo? Aliás, teve um brasileiro que fisgou um principe recentemente... vc leu? http://extra.globo.com/noticias/brasil/brasileiro-se-casa-com-principe-italiano-13917299.html

      Excluir
    2. Amor implícito é como consultar vidente......Nunca se sabe a resposta que vai decidir o nosso próprio futuro!!!!

      Excluir
    3. Madame Zoraide sabe tudo!

      Excluir
    4. Madame Zoraide provavelmente é solteira.....Prevê o futuro que ela mesma não viveu! O último namorado que teve largou ela de um dia para o outro......Pobre Zoraide!!!

      Excluir
    5. Tadinha da Zoraide! Quando eu VIRAR hétero vou dar uma chance a ela! Rsrsrs

      Excluir
    6. Zoraide tá lascada!!!!! Rsrs

      Excluir
  6. Estou querendo casar sim! Além de coroar todo um relacionamento, trás também pertinências jurídicas e de protecção, por exemplo, na doença. Casar, para mim, não é uma obrigação. É uma cerimónia bonita onde podemos comungar o nosso amor com as outras pessoas que amamos e com o mundo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bom ,.... se casar vai ter que mudar o nome da assinatura e do blog! rsrsrs vai ter que ser... CASADO com um pop star! rsrsrs abraços e obrigado pelo comentario!

      Excluir
  7. Sou totalmente a favor do casamento, aliás como disse meu companheiro pretendemos oficializar o nosso, mas pelo correção das injustiças que os gays sofreram e ainda sofrem ao longo dos anos. Eu mesmo já vi uma relação estável por mais de 5 anos, enquanto juntos conseguimos uma série de bens. Quando nos separamos ele estava bem financeiramente! Eu sempre junto dando a maior força tanto física quanto moral, e saiu com uma mão na frente e outra
    atrás sem absolutamente nada à não ser muita injustiça e desrespeito! Mesmo nunca tendo esse tipo de ambição, se fosse hoje é possível que eu fosse procurar os meus direitos! No entanto
    a festa, as pompas e circunstancias eu dispenso, sempre achei uma bobagem até nos casamentos convencionais. Mas isso é o que
    penso, nada contra quem pensa o contrário! Se contribui para seu
    bem-estar é super válido!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eh Dih.. vc lembrou bem, sem o papel, sem o casamento, fica dificil ser respeitado, garantir alguns direitos... do mesmo jeito eu tb sai de uma relação com muitas perdas... obrigado pelo comentario!

      Excluir
  8. Pensamos em casar por aqui também, sem muita festança, uma coisa simples com pessoas proximas ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita! tem muita gente pensando em casar! que legal! boa sorte ai MArcos ! e obrigado pelo comentario!

      Excluir
  9. Somos da mesma geração e para nós o tal casamento era uma coisa nunca imaginável no princípio ... mas enfim veio a União Estável, celebrada mais pelo lado pragmático da relação pois não víamos muito sentido nisto agora depois de mais de 40 anos juntos. Qto a casamento não vemos como algo assim tão fundamental, até pq isto anda muito impregnado da concepção e valores héteros normativos ... enfim ... ficamos por aqui ...

    Beijão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tb tenho esta visão BRatz! mas mesmo os heteros tem tantas formas e configurações de casamentos que acho que eles não podem ser considerados DONOS da norma! mas eu bemque gostaria de ter outro nome!

      Excluir
  10. Eu sinceramente não penso no assunto, não gosto de pensar (mas sempre penso) que casamento e prisão é a mesma coisa, e como eu sei que não vai acontecer comigo, nem ligo muito.

    Gossip of Men.
    http://gossipofmen.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chris, obrigado pelo comentario! os tempos são outros e mesmo "não pensando sempre pensando" pode ser que vc mude de ideia no futuro! abraços!

      Excluir
  11. Meu caro, vc nunca ter pensado nisso nem parece o amigo que conheço. Hehehe. Vivi essa experiência mesmo de forma não legal mas era muito legal. Cuidar, se importar, criar uma existência em comum afetiva. Casar tb é compartilhar vida.

    ResponderExcluir
  12. Gostaria muito de me casar(cerimonia religiosa e no civil) um dia, com festa, ter filhos, mas se encontrasse o cara certo, nada precipitado. Com certeza antes moraria um bom tempo junto sem partir para as formalizações.
    Mas isso tem sido um pensamento atual, quando eu era um pouco mais novo achava que casamento apenas mais uma burocracia, um papel que não mudaria nada na relação, mas deve ser mto gostoso casar, além de usufruir dos mesmos direitos civis que os heterossexuais sempre tiveram.

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!