28 de abril de 2016

Encontrando o amor novamente...

Conheça a história de Harris Wofford, ex-senador norte-americano, que foi assessor especial para direitos humanos do Presidente Jonh Kennedy e conselheiro de Martin Luther King:

Eu traduzi os principais trechos abaixo, 
mas que preferirem o texto original em inglês
 publicado no New York Times clique AQUI


Aos 70 anos eu não imaginava que eu poderia  me apaixonar novamente e me casar novamente. Mas os últimos 20 anos fizeram da minha vida uma história de dois grandes amores.

No dia 3 de junho de 1996 o telefone tocou pouco depois da meia noite, interrompendo o silêncio do quarto do hospital. Eu atendi o telefone, que estava na cabeceira da cama da minha esposa Clare. "Por favor aguarde o presidente". Bill Clinton tinha ouvido que Clare, em decorrência da leucemia, estava partindo. Ela ouviu e sorriu, mas estava fraca demais para falar.

Algumas horas depois, eu segurei suas mãos enquanto ela faleceu. Durante 48 anos de casamento nós havíamos passado uma vida inteira juntos.
Na fria primavera que se seguiu eu me senti grato por estar vivo, sortudo por ter tantos amigos e familiares e feliz por um trabalho desafiador que o Presidente Clinton me deu envolvendo o serviço social nacional. Mas eu também imaginava como seria viver sozinho o resto da minha vida. eu estava certo que eu jamais encontraria o tipo de amor que eu e Clare compartilhamos.
Clare e eu nos apaixonamos quando tentávamos salvar o mundo durante a Segunda Guerra Mundial 

(...) Nosso romance e aventura continuou por cinco décadas (...)
Nós passamos meio século juntos com diferentes perspectivas de vida. Tendo crescido durante a Grande Depressão, em que passaram por muito sofrimento, ela se tornou muito cética, enquanto eu sempre fui otimista.
(...) 

Para nossas três crianças, e para mim, Clare era o coração de nossa família. Se eu lhe dizia "você é minha melhora amiga" ela respondia "e sua melhor critica" e se eu dizia "você é minha melhor critica" ela respondia "e sua melhor amiga".
Ambos tínhamos quase 70 anos quando ela morreu. Eu assumi que eu estava velho demais para procurar ou esperar encontrar outro romance, mas, cinco anos depois, de pé na praia, eu tive um impulso (...) entrei na água e nadei sozinho, atraindo a atenção de dois rapazes que estavam na praia. Eles se aproximaram e se apresentaram, foi desta forma que conheci Matthew.
Enquanto caminhávamos na praia eu fiquei impressionado pela maneira curiosa e criativa dele pensar, e com seu charme. Eu sabia que ele era alguém que eu gostaria de conhecer melhor. Tinhamos décadas de diferença de idade e interesses profissionais muito diferentes, mas estávamos fisgados.
Eu admirava seu espirito aventureiro aos 25 anos, foi quando ele me disse que eu era um "jovem de coração". Eu gostei da ideia (...)
Viajamos algumas vezes pelo país, depois para a Europa, juntos, nos tornamos grandes amigos. Aquela faisca que sentimos no início percebemos que cresceu e se tornou amor. Um amor diferente daquele que tive por Clare, Nunca havia sentido esta sensação antes.
Eu levei três anos para falar sobre Matthew para meus filhos. Eu levei um álbum, que mostrava eu e ele em nossas viagens, para um casamento da família, Eu não achava que o assunto precisava de uma abordagem direta. Em algum tempo meus filhos aceitaram Matthew como um membro da família, e os pais dele também me aceitaram carinhosamente.
Para alguns nossa união é natural, para outros é uma estranha surpresa, mas rapidamente percebem nossos sentimentos de amor e devoção mutuos. Já estamos juntos há 15 anos agora (...) Eu não categorizo a mim mesmo baseado no gênero daqueles que eu amo. Eu tive um casamento de meio século com uma mulher maravilhosa e agora eu sou um sortudo por ter encontrado a felicidade por uma segunda vez.
(...) Matthew é muito diferente de Clare. As causas politicas que me movem não são tão importantes para ele, mas isto não fez com que eu mudasse minhas prioridades, mas eu também passei a me interessar pelo design, a paixão dele.(...)
Aos 90 anos eu sou afortunado por viver numa época em que a suprema corte fortaleceu o que o Presidente Obama chama de "dignidade do casamento"  , reconhecendo que o matrimonio não é baseado no genero da pessoa, escolhas ou sonhos, mas sim baseado no amor. Com isso em mente eu e ele estamos preparando nossa cerimônia de casamento. 

No dia 30 de abril, aos 90 e 40 anos respectivamente, vamos unir nossas mãos e fazer nossos votos: para o melhor e para o pior,  na riqueza e na pobreza, na doença e na saúde, com amor e com carinho, até que a morte nos separe

23 comentários:

  1. Engraçado que a grande maioria dos Gays só sai do armário quando chega à reforma. Depois dão bitaques para que os jovens o façam antes. Que tenham os tomates que eles nunca tiveram kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas o bom francisco é que este GAP esta cada vez menor, cada vez mais jovens estao se assumindo, vai sobrar poucos gays reformados para sairem do armario...

      Excluir
  2. Sabe que mais, acho bom pra eles. é uma jornada, e cada uma tem o seu ritmo. Não é fácil para todos - especialmente se pegarmos num calendário e virmos quando é que o senhor viveu a sua juventude, cronologicamente falando- e "ter tomates " é uma coisa muito relativa, que toda a gente tem na internet.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade miguel, ele nem precisou "cansar de ser hetero"... simplesmente se apaixonou!

      Excluir
  3. O texto original é muito interessante com observações do percurso político-social deste homem, não obstante privilegiado, que esteve ao lado de Martin Luther King por direitos iguais. Há muitas coisas a tirar deste texto, cada um tira o que quer e por vezes tira-se a pior mensagem de todas porque se vê as coisas dessa maneira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim , a historia de vida do Harris é de invejar! e continuara sendo pelo jeito! abraços!

      Excluir
  4. Sem dúvida a melhor mensagem para mim é que você fica sozinho por escolha, não por imposição da vida. Podemos sim encontrar alguém para partilhar nossa vida, se quisermos, se estivermos abertos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Veruska, vc sempre fala disso!

      Excluir
  5. Bela história, tipo, existe vida depois que...e eu aos 50 fechando para balanço, fazendo minha escolha pela solidão, assim não posso me queixar ou sofrer em rua pública, mas confesso que chorei no final do post. O amor está por aí, alguns tem a sorte e o coração conectado em outro, outros não.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jair! Fechado para balanço! Que é isso amigo! vamos dar a volta por cima e abrir seu coração para novas experiencias1

      Excluir
  6. Se todos tivéssemos histórias dessas, o mundo seria um lugar muito mais harmonioso...

    ResponderExcluir
  7. Surpreende a forma q Ele abordou sua homoafetividade. O casual encontro os levou a se conhecerem e perceberem q o amor era possível acima de qq indagação, movidos pelo companheirismo e respeito de suas visões, inclusive políticas. Parabéns ao casal!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também achei lindo Pedro... até queria ir nesse casamento!

      Excluir
  8. Muito bonito o texto que retrata de e a forma simples que é a vida: É viver!
    Não há uma regra, método, prazo, distância, equívoco, cronologia, gabarito, nada.
    Vida tem que ser amor, carinho, respeito, gratidão pelo passado e projetação para o futuro, tentativa e erro, solidariedade, honestidade, transparência, lealdade.
    A história é linda porque é de liberdade, não segue padrão estigmatizado de qualquer espécie.
    Só posso dizer parabéns ao casal e que mais pessoas sejam assim, aprendam a ser assim!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. lindo o que escreveu Daniel! papo de quem acredita no amor! beijao!

      Excluir
    2. Pois é meu amigo, acredito que o amor é a única saída, mesmo que na solidão.

      Excluir
  9. Linda história, mostra o quão importante é conferir liberdade ao afeto.

    ResponderExcluir
  10. O amor bate sempre à porta. Quem não esqueceu a chave perdida em algum lugar escuro do passado saberá abrir honestamente essa porta quantas vezes for desejado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bom, ainda bem que eu encontrei aporta aberta! sou mestre nivel advanced em perder chaves! rsrsrsr

      Excluir
  11. Muito bonita, adorei!
    O amor tem que reinar sempre né!?
    Um ótimo fim de semana!

    Bjus
    Taty
    Na Casa dos Abrantes
    Canal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O amor tem que ser a palavra chave de tudo! abraços taty!

      Excluir
  12. Olha, não conhecia essa história ... bela!

    porralouquices.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!