22 de julho de 2014

...as perdas nossas de cada dia...


Estes útlimos dias foram de uma tristeza só...
Nosso cachorrinho morreu...
Nas últimas semanas notamos que seu pêlo estava caindo, que ele estava tomando muita água - achamos que era o inicio do inverno - mas acabamos levando na veterinaria... Ela receitou um shampoo especial, mandou fazer exames... Ela suspeitou de um parasita, a glicemia estava alta, ela começou a tomar alguns medicamentos..
Estávamos bem assessorados, minha BFF é Prof. Dra. da Veterinária da UNESP, eu ligava para ela 5 vezes ao dia...
Seu apetite foi diminuindo, ele começou a emagrecer, fomos ao Hospital Veterinário (PET CARE recomendo a todos pois todo mundo diz que o melhor de sp)... Voltamos para casa com novas recomendações, mais exames para fazer... Glicemia a 600 (não errei não! 600!) - diagnóstico inicial diabetes, os exames para o tal parasita deram negativos. Ai ele parou de comer. Dois dias que só comia forçado...
Nova internação,  mais 7 dias no hospital, espeta,  puxa, raspa pêlo... não era pancreatite. Continuava sem comer, parecia que ele estava enjoado de tudo - o oposto da reação de um diabético, que quer comer de tudo.
- Vamos mandar ele para casa, vamos ver se em casa ele come
Não comeu nada durante 24 horas, nada mesmo, nem ração , nem carne, nem frango, nem petiscos, nem arroz, nem leite, nem DORITOS! Estávamos bem desesperados deu para perceber?...queriamos que ele comesse...qualquer coisa!
Nova internação... sentamos e conversamos com os médicos - Sem comer como vai melhorar? o que ele tem afinal de contas?.
Eles não sabiam o que ele tinha, só o  que NÃO tinha! Sabiam que era uma doença hormonal, talvez hepática, algo ainda não descrito pela medicina veterinária... Sugeriram que fizessemos um acesso externo para alimentá-lo, um tubo no abdomem... Eu e minha filha ficamos em choque... porque mesmo esta medida drástica, para prolongar-lhe a vida, não era garantida... Não autorizamos na hora, deixamos ele no hospital e saimos para comer alguma coisa, para pensar, sentir, chorar... Ele estava com 1/3 de seu peso normal, muito pouco para um Maltês.
Conversamos com a BFF Veterinaria, com a vovó, com Mr. J... ligamos para o hospital e conversamos mais, pergutamos. Minha filha dizia que não queria que ele virasse um robô, cheio de tubos. Ele estava triste, assustado, o dia que passou em casa não saiu da cama... tivemos que pesar nosso eventual egoismo de ter ele por perto a qualquer custo. E tinha também uma questão financeira envolvida, afinal de contas ele era nosso cachorrinho amado mas era um animal... foi ai que senti a responsabilidade de se ter um ser vivo sob sua guarda.
E foi ai que minha filha - eita menina forte - tomou a decisão sobre a eutanásia... que já tinha passado pela minha cabeça é lógico, mas tinha que partir dela... O hospital disse que não faria... mas entenderam nossos motivos... Tiramos ele do hospital, ficamos um pouco com ele e levamos para a veterinaria, ela nos conhecia melhor, conhecia ele, disse que faria. Minha menina ficou com ele até o fim, até ele dormir completamente - eu não tive esta coragem...
Estamos muito tristes, ainda sentimos sua falta quando chegamos em casa, quando ele não está ao nosso lado vendo tv, minha empregada estava inconsolável, durante o dia ele era sua grande companhia. Ele faz muita falta, ele era um verdadeiro "cão de companhia" como diz o epiteto da raça.
Mas as coisas vão andando...Minha filha leonina me disse ontem : - Eu já superei a morte dele, estou triste mas sei que foi o melhor.
Eu ainda não, ainda choro quando me lembro, quando vejo fotos, enquanto escrevo este post...eu me permito ficar triste até quando quiser, meu processo é mais dramático mas eh o meu normal, sei que estou me recuperando...
Sei que estas perdas são inevitáveis, é o ciclo da vida, de todas as vidas, mas me permito ficar triste...
 
....continua daqui alguns dias em outro post.: "MAS ERA SÓ UM CACHORRO"... este aqui ficou muito longo...
 
 

26 comentários:

  1. Caro amigo,

    Sinto pelo pequeno, e entendo cada uma das suas linhas...
    São perdas que somente cada um de nós pode medir e nomear.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado senhor Zé! vamos que vamos! boa viagem de férias!

      Excluir
  2. Esses figurinhas são tudo de bom pra gente não é mesmo ?
    Passamos por isso uns anos atrás, tivemos que optar pela eutanásia também, o nosso era um São Bernardo de 12 anos, que chegou a um ponto em que não dava mais. Vcs acertaram, como diz meu vet. o que se tem que ter em mente é a qualidade de vida que o bicho está tendo, que apesar de todos os recursos que temos hoje, há um ponto em que não conseguimos manter.
    Força ai pra vcs, pois sei como é um momento dificil ! Cada dia a dor fica menor, e só o tempo mesmo !

    Gde abraço !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado Marcos, obrigado pelas palavras doces e pelo carinho! abs

      Excluir
  3. sempre tive meus cães ... cansei de sofrer com as perdas ... hoje não os tenho mais ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou me sentindo como você Bratz.. não sei se vou querer outro cãozinho tão cêdo...abs!

      Excluir
  4. Poxa, nem me fale, tem pouco mais de um mês que eu passei com isso e foi muito duro e triste! Essas "encrencas" sabem como roubar o coração da gente... mas, é a vida e são os ciclos, o importante é que vocês estiveram com ele todo o tempo!

    Tem um texto muito lindo, que eu me lembrei ao ler teu texto... se tiver curiosidade... pode acessar nesse endereço
    http://www.dogtimes.com.br/velhice2.htm

    Grande abraço... (e eles nunca são só um cachorro, né?)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Latinha, sua dica do DOGTIMES foi perfeita! obrigado, lio site inteiro, e adorei "o que podemos aprender com nossos cães", obrigado amigo!

      Excluir
  5. lamento muito a sua perda! É triste quando acontece.

    r. eu vou tentando divertir-me aqui e ali haha

    ResponderExcluir
  6. Ele não era só um cachorro; era de vcs e vcs o amavam e isso fazia dele um cachorrinho mais que especial. Agente sente tudo pra sentir de uma vez. Sagitariano né. Sinto por vcs. Fiquei inconsolável quando meu antigo gatinho morreu. Fiquem bem na medida, e no tempo possível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado RÊ, este nosso musculo do sentimento (coração) sagitariano é meio enrolado não é? beijo

      Excluir
  7. Lamento imenso a vossa perda... Sem dúvida que estão a passar por uma grande tristeza e desejovos a maior força...
    A tua filhota foi mesmo uma heroina, não sei se teria a vossa coragem...

    Bjxxx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Isy! realmente está sendo uma barra, mas vamos nos ajudando, conversando, saudade tem seu lado bom...

      Excluir
  8. Menino... tua filha sabe das coisas... hehe!
    Sinto muito pela perda de vcs, meu caro! Como "cachorreiro que sou" (aqui temos 4 - todos adotados e sem pedigree... hehe) sei bem como são dolorosos e complicados esses momentos! Fiquem bem!!! Hugzão!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Mr, Butt, realmente é complicado, mas como eh que dizem? não existe amor sem dor...

      Excluir
  9. Não sei mais lidar com essas perdas... nem pretendo ter mais pets. :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Douglas, eu como o Bratz e vc, não sei se tenho pique para outro...

      Excluir
  10. Eu lamento MUITO! :/ Imagino a dor dessa perda. Eu tenho uma tartaruguinha há vinte anos (pouco mais velho eu sou). Infelizmente não posso ter mamíferos porque sou asmático. :(

    um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Manifero, réptil...tanto faz, o sentimento é o mesmo! eu imaginoque vc tb gosta dela! abs! obrigado pela msg

      Excluir
  11. te deixo meu abraço, querido
    sei que é a única coisa capaz de ajudar um pouco.

    ResponderExcluir
  12. Lamentável.
    Sei muito bem como é isto.
    Anos atrás perdi uma gata de 13 anos de vida. Ao relembrar a falta dela no mês passado até me emocionei.
    Com certeza, esta perda mudará tudo em sua rotina.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ro, agora estamos nos acostumando... mas ainda sentimos muita falta dele, temos lembranças dele em todos os cantos da casa...obrigado!

      Excluir
  13. Sempre tive pavor de cães, mas esse pavor foi mitigado depois que meus pais adotaram um pastor alemão para o sítio onde eles moram e minha irmã resolveu criar uma labrador e uma weimaraner. O pastor morreu 14 anos depois e deixou saudades do jeito de nobre inglês que ele tinha. Jamais fez festa para ninguém que não fosse minha mãe. Eu chegava, ele me recebia cordial e educadamente é, lentamente, voltava a seus "afazeres". As "meninas" já eram mais efusivas. Ash, weimaraner, morreu aos 12 anos. Deixou saudades do jeito espevitado de ser. A gazela, como a chamávamos, era mimada, não andava na terra, não comia nada que tivesse ido ao chão. Burgha completa 14 anos agora em agosto de 2014. Labrador, velhinha, chamada já de vovó, conserva o espírito de filhote. Pula, brinca, salta, come o que derem para ela - dentro das limitações de uma senhorinha cadela de 13 anos.

    Jamais tive um, mas convivi com alguns que me fizeram perder o pavor desses bichinhos. E quando alguém me fala que perdeu um desses entes que passam a ser nossa família, eu apenas digo "sinto muito" porque eu posso não entender, mas vejo e sinto no choro da minha mãe, no sofrimento da minha irmã, o quanto esses bichinhos tocam fundo nossa alma e faz nosso dia ficar mais gostoso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado por suas palavras MENINO, passados varios dias do fato eu vi seu comentario hoje, e me deu uma saudade boa do meu bola de neve! abs!

      Excluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!