17 de julho de 2014

voltamos a ser "grupo de risco"...

Acho que todos leram que a OMS passou a recomendar que Homens Gays (ou homens saudáveis que fazem sexo com homens) passem a tomar um comprimido de TRUVADA diariamente como forma de profilaxia, saiu na FOLHA e em outros jornais, mas vc pode ler direto no site da OMS.
Eu sabia que estavam fazendo estudos neste sentido, e aqui e ali eu já tinha lido noticias de que alguns médicos estavam recomendando isto. Havia até alguns gays que tinham tomado a iniciativa, por conta própria, de tomar os retrovirais como PROFILAXIA PRÉ EXPOSIÇÃO, que é o nome correto desa recomendação.
Na realidade a ONU tb recomendou ás mulheres que façam uso de geis vaginais que tenham tenovir na sua composição, mas com menos ênfase, e sem tantos estudos para corroborar a eficácia.
Eu pessoalmente acho um exagero, o uso correto da camisinha já é bastante comprovado como eficaz, e os estudos mostram que as pessoas que são soropositivas e estão em tratamento tem uma chance mínima de transmitirem o vírus a seus parceiros sexuais. Mas como eu sei que tem muita gente absolutamente neurótica com mêdo de se contaminar eu até entendo quem queira fazer este tipo de prevenção, assumindo os riscos colaterais que qualquer medicamento desnecessário embute.
Mas quem me chamou a atenção outra nuance da questão foi meu amigo Silvio Henrique, que é jornalista. Ele propôs a discussão de que, até que ponto, isto nos caracterizava, novamente, como GRUPO DE RISCO. Digo novamente porque fazem 20 anos ou mais que todos os orgãos governamentais e ongs do mundo inteiro dizem que a AIDS não tem grupo de risco, todos tem o mesmo perigo de se contaminar, todo mundo deve usar camisinha... não é mesmo?
Mas só que agora o discurso parece ter mudado para " todo mundo deve usar camisinha mas os gays devem tomar remedios para evitar se contaminar". resumidamente: Todos são iguais mas tem uns menos iguais... sacou? Eles estão recomendando que alguns tem que tomar "vacina" e outros não!
Não vou nem entrar nas questões comerciais que podem estar envolvidas nesta recomendação, porque o antiretroviral - no Brasil e em outros lugares - só é distribuido gratuitamente para quem é portador da doença. Mas sabemos que estes lobbys são monstruosos, assim como os lucros ...
Imaginando aqueles filmes de ficção apocalípticos, imagino se daqui a pouco o gay que não fizer uso da profilaxia vai ser acusado de irresponsável e talvez até passemos a ser obrigados a isto!... mais ou menos como pais que não querem vacinar seus filhos por questões filosóficas e são obrigados a fazê-lo pelo ministério da saúde...
 
E você? Vai começar a tomar TRUVADA quando?
 

24 comentários:

  1. É uma decisão polémica. Creio que um dos pontos centrais da questão é o que menconaste n texto:

    "o uso correto da camisinha já é bastante comprovado como eficaz"

    Quantas pessoas fazem uso correcto da mesma? É bom de lembrar que o preservativo deve ser usado não só no coito anal, mas também no sexo oral...

    Abraço :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jonhy! Muitos são categóricos em dizer que sexo 100% seguro, em função da intimidade requerida e da consequente "troca de fluidos" é coisa impossível, e acho que mesmo a camisinha dizem que protege contra 99% das DSTs... estamos num beco sem saída!

      Excluir
  2. Olha... isso é bem complicado, hein. De certa forma eu tenho contato com muitas pessoas mais novas e tenho sensação que os "mais novos" tem aberto mão do uso do preservativo. Em "condições normais de temperatura e pressão" eu diria que estamos sendo discriminados novamente, mas sempre penso que tais políticas não se tratam de mim, ou via de regra, daqueles que eu conheço.

    E nesse sentido talvez não seja tão exagerado assim...

    Isso é algo que precisa ser muito debatido com certeza, isso sem mencionar as questões comerciais envolvidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem razão TINMAN, são justamente as novas gerações que estão descuidando e menosprezando a questrão do sexo sem proteção, talvez esta indicação seja voltada diretamente para eles, mas duvido que eles se preocupem com esta profilaxia, ainda mais se nao for politica de governo... e que comece a caça ás bruxas!

      Excluir
  3. Acho que a sigla popular para AIDS é bem apropriada: Agora é Impossível Dar Sossegado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rê! não conhecia esta versão popular da sigla! mas sem duvida nenhuma o parulhamento da vida alheia aumenta cada vez mais! o que pode comer, fumar, acreditar, votar.. tudo tem o certo e o errado hoej em dia! Que saco!
      beijão amigo!

      Excluir
  4. Pior que a AIDS é engravidar uma mulher dessas... Rs. Ela já pode ser controlada... um choro de criança, não...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi um bom lembrete Douglas, se bem que uma criança poxe trazer muitas alegrias, já uma doença...

      Excluir
  5. Parece que todo mundo está falando sobre isso mesmo! Apesar de parecer um tema só o seu texto nos remete a vários conflitos a serem debatidos. O primeiro, sobre a profilaxia Pré exposição, foi baseado no estudo iprex, porém, como você mesmo disse, há grande influência das indústrias farmacêuticas, principalmente o fabricante do medicamento, além do estudo ter vários viés que não vou comentar aqui para não ficar muito longo, mas inclui, por exemplo, o uso concomitante de camisinha nos pacientes avaliados. O índice de infeção pelo HIV foi devido ao uso de Truvada ou porque os pacientes que usaram Truvada corretamente usaram mais preservativos? E sendo este estudo apenas com homens homossexuais e transexuais, a indicação foi apenas para este grupo, sem segregações. E, assim, entramos em outro tópico, o de considerar os homossexuais novamente como grupo de risco e segregando tal grupo. A grande verdade é que, apesar da doença poder ser manifestada em qualquer pessoa, os índices são maiores em homens que fazem sexo com homens e isto é uma preocupação atual de todos que trabalham nesta área. O risco é maior pelo sexo anal e, também, se generalizarmos, homens fazem mais sexo. E, o aumento de casos novos no grupo de jovens homossexuais pode ter sido até culpa desta política de alguns anos atrás que tinha por objetivo não segregar nenhum grupo, o que foi muito bom na época, visto o grande preconceito e a relação da doença com o homossexualismo, mas fato é fato e que os jovens homossexuais estão se descuidando mais é fato. E, calma, nunca seriamos obrigados a tomar nenhuma medicação, assim como há pacientes que não tomam seus remédios e pais que não vacinam seu filhos, o que acho isso um absurdo! Mas nem entrarei neste mérito... Rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo coment Ego Triplo! a sua análise me deu mais ainda oque pensar, que o próprio estudo ja era tendencioso eu nem sabia! Que massada! abs!

      Excluir
  6. Todos são iguais mas tem uns menos iguais... Isto resume tudo ... Uma boa educação e responsabilidade de todos é mais q suficiente para o controle de todas as doenças sexualmente transmissíveis desde os tempos de Adão ... Mas aí vem a ganância do poder econômico e a pouca vergonha de uma sociedade hipócrita ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hipocrisia! Poucas vezes uma palavra foi tão bem usada Bratz! Eu devia usar ela mais! abs!

      Excluir
  7. Nós nunca deixamos de ser grupo de risco, HHP, afinal, nós não podemos doar sangue neste país sem se abster de sexo por pelo menos um ano. Não é? Então, a situação, per si, não mudou em nada.
    Sobre o conselho da OMS, acredito que principalmente para travestis e homens que trabalham com sexo pode ser bastante útil, afinal a exposição ali pode acontecer num acidente mesmo, não é? Porém, o que mais me intrigou neste texto foi o uso da expressão HOMENS QUE FAZEM SEXO COM HOMENS que, ao pé da letra, não se refere aos gays, mas a homens heterossexuais que fazem sexo com travestis e gays, é a este publico que a OMS está se referindo? É este o novo grupo de risco?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem observado Foxx !

      Excluir
    2. Não Fox, o termo homens que fazem sexo com homens (HSH) é um termo mais médico para abranger qualquer um que pratica tal ato, seja gay, bi ou "hetero", seria um termo mais abrangente e direto ao ponto do que classificar em gênero, socialmente ou qualquer outra coisa.

      Excluir
    3. O TRES EGOS disse bem, a expresão HSH é bem mais ampla, mas acaba excluindo as mulheres que fazem sexo com homens! e que tb deveriam ser indicadas a se proteger com esta profilaxia não?

      Excluir
  8. http://www.ladobi.com/2014/07/prep-novo-comportamento-sexo/

    ResponderExcluir
  9. É, o que eu acho, vários já falaram aqui, há um certo relaxamento no uso do preservativo.
    E quanto ao ser grupo de risco, como bem observou o Foxx, nunca deixamos de ser mesmo, basta querer doar sangue e sentirá na carne isso !

    Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Recomendo a audição do programa do Lado Bi, bem como o acompanhamento dos estudos no Brasil (https://pt-br.facebook.com/PrEPBRASIL) para que não se acredite nessa visão equivocada de "grupo de risco" - não é a intenção da OMS e do PrEP.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. este site é muito legal Eduardo, tem muita matéria que eles traduzem de outros lugares muito boas! obrigado pela dica!

      Excluir
  11. Eu acho que não há grupos de risco. Há comportamentos de risco que podem ser praticados por pessoas de qualquer orientação sexual. Há homossexuais, heterossexuais, bissexuais promíscuos.


    O uso do preservativo está bastante generalizado, a informação é mais do que muita, no entanto, há que continuar. Resistem alguns mitos, como aquele, perigoso, que nos diz que no sexo oral é dispensável o uso do preservativo. Não será uma prática tão exposta ao HIV como o sexo anal ou a cópula vaginal, mas o risco existe. Basta que quem pratique o fellatio, por exemplo, permita que ejaculem e tenha um pequeno corte na boca. E além do HIV, há todo um rol de doenças que se evitam com práticas seguras de sexo. Morrer ou ficar doente por quinze minutos de prazer (ou menos) é uma "bobagem" evitável e irreversível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mark uma boa reflexão! A verdade é que todas as estatisticas falam que os jovens estão cada vez mais descuidado e despreocupados! Como mudar isto?

      Excluir
  12. Eu tive que ler o texto duas vezes para tentar entender se vc estava sendo preconceituoso ou não quando pergunta "quando você vai começar a tomar truvada". Mas decidi que não. Vc estava apenas inflamado por causa da recomendação da OMS sobre o assunto.

    Tudo que gira em torno do HIV e AIDS é polêmico. Apesar de toda a informação que todos podemos ter acesso, acabamos buscando esse tipo de notícia apenas quando alguém próximo traz de novo em assunto em pauta.

    Eu acho que se estivesse solteiro e esse remédio fosse subsidiado pelo governo, como forma de prevenção, eu tomaria. Quem vê cara, não vê exame de sangue, né?

    Ao mesmo tempo que meu jeito Poliana de ser, lá no fundo, me diz que a OMS está tendo mais cuidado conosco do que com as pessoas de outra orientação sexual. Quando eles limitam essa recomendação a homens gays saudáveis que tenham relação sexual com outro homem.

    Na minha cabeça maluca, eles dizem "os heteros que se explodam, vamos cuidas dos gays". Mas eu sei que não é bem isso. Mas prefiro pensar assim, pelo menos eu fico menos infeliz com esse retrocesso que houve no que se refere aos gays e métodos eficientes de proteção contra DSTs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Flying Boy, sem duvida nenhuma é melhor pensar de um jeito mais Poliana a se aborrecer em demasia com eu fiz... abraços! obrigado pelo coment!

      Excluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!