19 de maio de 2006

as crianças e a violência

Acho muito dificil falar com as crianças sobre a violência, mas também acho difícil não falar com elas sobre isto, especialmente numa semana em que a violência e a criminalidade transbordaram por todos os lados.
Acho difícil falar com as crianças sobre violência porque tenho receio que elas achem que isto seja a coisa mais importante, esquecendo que o amor e a amizade é que realmente importam. Ao falar sobre a violência tenho receio que a criança fique sufocada, como ficam os adultos, por coisas que ela terá dificuldade de compreender.
Falando sobre a violência tenho medo que ela fique assustada, com medo de sair de casa, com medo de mendigos, com medo de pessoas que moram na "favela".
E não acho isto legal!
Mas, ao não falar sobre a violência, tenho medo de criar uma criança numa "redoma", da escola para o condomínio, do condomínio para o clube, do clube para a escola. Ao não falar sobre a violência posso estar criando uma pessoa que não esteja preparada para o mundo real.
Mas prefiro que a violência chegue até ela pelo meu filtro, sempre que possível. Acho que não devemos deixar nossos filhos pequenos assitirem aos telejornais, acho que não devemos deixar as crianças assistirem as novelas que só mostram gente ruim, um querendo ferrar o outro, e isto acontece até em novelas de época.
Acho que pais e mães tem que falar com seus filhos de assuntos dificeis, não falar é mentira, e toda a mentira é ruim! E a violência é um assunto difícil.
Acho que pais e mães homossexuais devem preparar seus filhos para a violência do preconceito, violência esta que poderá vir na forma do isolamento, das fofoquinas. Não falar que as crianças poderão ser alvo de violência é não protegê-los de doidos, pedófilos, abusadores e malucos da internet.
Sei que ela também vai escutar coisas fora, dos amigos, na escola, vai ver coisas que vão lhe despertar para muitas curiosidades, para muitas conversas. Por isto falei que filtrava isto, sempre que possivel. Mas sei que se eu começar a conversa com a criança sobre violência, quando ela tiver uma dúvida,uma curiosidade, ela tem para quem perguntar, e não um pai ou uma mãe que tem assuntos "proibidos"
Sei que a violência faz parte da natureza do ser humano, que está presente na escola, no trabalho, em todo lugar, mas também sei que a violência poucas vezes se apresenta em estado puro, ela na maioria das vezes é uma reação e é importante que as crianças entendam de onde vem estas reações, porque muitas vezes elas mesmas serão, a seu modo, violentas.
Volência, etâ assunto difícil!

8 comentários:

  1. Ah, realmente, é um assunto difícil... mas como não falar?
    Essa idéia de que se não falarmos diretamente vai protegê-los é um engano! Mesmo que eles sejam pequenos e ainda não saiam sozinhos!
    Nós mesmo, em nossas conversas de adultos, quando pensamos que ele não vão entender, acabamos dando mais informações a eles do que supomos!
    Então é melhor fazer como vc disse... mas não acredito que sejamos filtros... é impossível filtrar! Acho que podemos ser... direcionadores. O fluxo vai acabar vindo integral, com tudo! Cabe a nos direcionar aquele fluxo para o lado certo!!!

    BEijão!

    ResponderExcluir
  2. Acho que tem que se falar sim. Claro que não é fácil. Mas como vi um terapeuta falando esses dias na tv o importante é tu mostrar tranquilidade e segurança para a criança, mas claro deixar claro pra ela a questão. bjs

    ResponderExcluir
  3. Que tipo de violência vc está se referindo??? Aos ataques do PCC???

    Eu acho que quando se conta 'meias verdades' pras crianças as coisas funcionam melhor - dependendo da idade delas !!!
    Diga que os pobres são violentos porque são pobres, mas que nem todos os pobres são violentos !!! A razão da violência do Brasil, não é propriamente, ódio - é pobreza, abandono e promiscuidade !!!

    Fazer um raciocínio muito complexo, dependendo da idade da criança, vai torná-la mais amendrontada ainda; só tente não fazê-la 'odiar', ou seja, ter medo de todo mundo... um bom exercício pra crianças brasileiras ricas ou de 'classe-média fresca' enclausuradas é experimentar andar na rua sozinhas, elas têm de fazer isso, crianças precisam de amigos,inimigos, contar com estranhos e tb com a sorte!!! Precisam aprender a se virar !!Vão ver q nem todos os pobres são finalmente violentos, que nem todas as aparências são de fato essência; vão aprender a ostentar menos para sobreviver mais e é capaz de que até faça boas amizades com criminosos - no Brasil algo que, de acordo com a situação, anda cada dia mais indispensável !!!

    ResponderExcluir
  4. Eu fico mais chocado com as formas de violência não-físicas. Quantas vezes nos sentimos o pior dos seres humanos ou ouvir palavras de preconceito na sociedade que é pseudo-pacifica. É uma violência sem parametros a qual todos estão expostos. Na mundo de hoje , onde a criançada está cada vez mais exposta , acho que ela acaba descobrindo por si só os malefícios da criminalidade , pois como todos somos vítimas , com certeza a maioria delas já teve experiências desse tipo. O que me motiva é esperar que essas péstinhas tragam um pouco mais de alento e paz para a sociedade..Bjs

    ResponderExcluir
  5. Dificil sim,mas apesar de não ser pai,tenho convicção de que vc esta fazendo o certo.
    O caminho é sim por ai.
    Otimo domingo.
    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  6. Mais uma vez, eu imprimi o seu texto pra mostrar pra minha mãe...
    Meus aplausos sinceros (livres de demagogia).

    ResponderExcluir
  7. É inevitável que um dia nos confrontemos com a realidade do mundo lá fora. Foi assim com todo mundo, será também com nossos filhos. Entre tantas coisas (sexo, drogas, etc...), a violência é mais umas desses problemas e deve ser debatido também dentro de casa. Infelizmente, a inocência é passageira.
    Abraços e ótima semana.

    ResponderExcluir
  8. Adorei qdo vc disse 'saber pelo meu filtro'... concordo plenamente!!! Afinal de contas, a gente pode 'guiar' o raciocínio criticando as coisas erradas e elogiando as boas, com o fim de criar um conjunto de valores mais próximo do que consideramos ideal...

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!