15 de junho de 2006

Pais e Mães em destaque

Ela é uma mulher e tanto! Enfrentou muitas coisas em sua vida e superou outras tantas, e ainda teve a generosidade de ajudar outras pessoas.
Ela levava sua vida, que chamaria normal, até perceber que seu filho, na época com 22 anos, estava muito triste, deprimido e mesmo eles tendo um bom relacionamento ainda havia um espaço que os distanciava. Ela resolveu conversar com ele, e nesta conversa soube que seu filho era homossexual, pois ao contrário de todo o folclore, a maioria das mães não sabe sem que se conte.
O mundo desta mulher balançou, ela não sabia o que fazer, a quem recorrer, ficou perdida. Não porque não amava seu filho, não porque teve raiva da situação, ficou perdida sem saber o que era isto, sem saber o que siginificava ter um filho homossexual. Balançou mas foi a luta!
Perguntou, leu e por fim descobriu a Internet. Na globosfera virtual conheceu outros tantos homossexuais, homens, mulheres, militantes e curiosos, entrou para grupos, perguntou mais um pouco, escutou, aprendeu e entendeu, entendeu seus sentimentos, entendeu os sentimentos de seu filho.
Isto não siginifica que tudo se reolveu, aceitar, compreender não siginifica que tudo muda de um dia para outro, na realidade as coisas só mudam para quem quer que mude!
Na sua busca, e nos seus momentos de "não ter com quem falar" ela percebeu que existiam outras mães e pais perdidos, ela sabia que o amor por seus filhos era grande, mas os preconceitos, os medos, as angustias turvavam tudo isto! Ai entrou em prática sua generosidade: fundou um grupo de pais e mães de homossexuais, conhecido como GPH (grupo de pais de homossexuais), talvez ela nem precisasse disto, ou precisasse, com certeza os filhos precisam! Isto foi em 99. Umtrablaho de formiguinha, pegnado uns no colo, chacoalhando outros, e conversando, conversando, conversando...
Hoje seu grupo tem mais de 50 pais e mães de todo o pais, e desde fevereiro se tornou uma ONG devidamente registrada, para poder fazer mais, para poder ajudar mais gente. Seus planos são treinar psicologos e pessoas para poder montar novos grupos, mini-grupos espalhados pelo Brasil.
Mas enquanto fazia tudo isto ela tinha outro projeto em andamento, ela percebeu que muitos livros falavam "tecnicamente" sobre a homossexualidade, mas poucos deixavam os homossexuais falar!
E foi isto que fez, entrevistou dezenas de homens e mulheres homossexuais, compilou centenas de respostas - eu mesmo vi as toneladas de fitas (trancadas eticamente a sete chaves) em seu escritorio - juntou, organizou, perguntou mais, organizou mais. Deu voz ao homossexuais, que deixaram de ser matéria de pesquisa para se tornarem seres reais, com historias de vida e opiniões.
Dia 16 de junho o livro VIDAS EM ARCO IRIS - Depoimentos sobre a homossexualidade, vai ser lançado na livraria Cultura do Conjunto Nacional, ás 19 horas. Um livro para filhos, para pais, para mães, para estudiosos e para pessoas que querem entender mais sobre coisas que as pessoas preferem rejeitar sem tentar entender!
Você não pode perder! Numa semana de tantos eventos em prol das liberdades e contra o preconceito, você precisa estar lá!
O nome desta mãe, mulher, batalhadora, sonhadora, escritora? Edith! Edith Lopes Modesto, não esqueça seu nome, pois tenho certez ela ainda deve ter muitos planso em mente, só precisa de um pouco de nossa ajuda e apoio!
Parabéns Edith, conte com meu apoio!

9 comentários:

  1. poxa, amigooooooooooooooooooo! que legal a atitude dessa mãe! Mas, olha, só um coisa discordo de ti...Eu acho que no fundo sim, as mães suspeitam de lago....Pelo menos as mães que conhecem bem o seus filhos....pelo menos é o que sinto com minha mãe.....
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. essa mulher merece os parabéns... não sei se minha mãe sabe da minha homossexualidade... mas se descobrir... não sei a reação dela... Abraços!


    A. Ferraù

    ResponderExcluir
  3. Realmente essa mulher merece parabéns. Quando meus pais descobriram minha homossexualidade, não foi fácil para eles e nem para mim. A maior preocupação na época e hoje ainda um pouco, era a violência, preconceito que eu poderia enfrentar. Ambos tem medo que me machuque. Só realmente o amor é capaz de proporcionar esclarecimento e compreensão.
    valeu pela postagem.
    Abçs.

    ResponderExcluir
  4. Nossa adorei, talvez minha mae deveria entrar nesse grupo e ficar mais calminha cmg hehehe! Quando sair o livro na minha cidade vou comprar sim! Uma salva de palmas para essa mulher e sua iniciativa, precisamos de mais pessoas com essa fibra! bjs

    ResponderExcluir
  5. Meu fofo, fiquei emocionado com esse post!
    Vc já tinha citado esse livro algumas vezes, mas eu não imaginava o alcance da coisa.
    Infelizmente não tenho como estar no lançamento, mas vc pode ter certeza que será uma aquisição obrigatória, assim que eu o achar!!!

    Grande beijo pra vc! E além dos parabéns para a Edith, dou parabéns a vc também! O trabalho que vc faz nesse blog, que a primeira vista pode ser pequeno, alcança muitas vidas e faz mudança, para melhor!!

    Grande beijo! :)

    ResponderExcluir
  6. márinho5:59 PM

    Adorei! adorei!
    gostaria de falar pessoalmente com você.
    eu vivo em portugal e o nº de meu celular é o +351919487012.
    espero seu telefonema.bjs.
    márinho.

    ResponderExcluir
  7. Eliana10:10 AM

    Fábio, ainda não li o livro, mas estarei em SP e vou poder pedir o autógrafo dela. Obrigada por nos contar e informar. Teu blog está ótimo.
    beijos e Sophia, no Fê que esteve aqui e nem contatou conosco (sniff)
    beijos
    Eliana

    ResponderExcluir
  8. Eliana10:11 AM

    Fábio, ainda não li o livro, mas estarei em SP e vou poder pedir o autógrafo dela. Obrigada por nos contar e informar. Teu blog está ótimo.
    beijos e Sophia, no Fê que esteve aqui e nem contatou conosco (sniff)
    beijos
    Eliana

    ResponderExcluir
  9. Putz, que pena que eu perdi isso... mas ainda resta ler o livro!!!

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!