11 de agosto de 2005

Por que os gays não se dão bem com os pais?

Na semana dos pais é inevitavel não refletir sobre o difícil relacionamento entre os homossexuais (especilamente homens gays) e seus pais.
Acho que não seria dificil fazer uma "estatística" e dizer que 99% dos homossexuais masculinos tem dificuldades de relacionamento com o pai.
Apesar da estatísitica totalmente empírica eu não saberia dizer exatamente quais são os motivos. A idéia de que é o pai ausente que "causa" a homossexualidade do filho é facilmente rebatida pois numa mesma familia de pai ausente nem todos os filhos são gays. Mas este pode ser, sem duvida, um daqueles fatores multiculturais que organizam a "persona" homossexual.
Não dá para afirmar se o filho, percebendo-se diferente desde muito cedo, é que se afasta do pai e aproxima-se mais da mãe (muito ás vezes). Ou se o pai é que se sente menos ligado ao filho por razões inconscientes.
Para os pais de homossexuais talvez o principal ponto de conflito refira-se á MASCULINIDADE, o pai que reconhece seu filho como homossexual, deve temer que seu filho seja efeminado, que destoe dos padrões estabelecidos, ou preocupar-se com o papel sexual que este filho desempenhará. A figura do homem "passivo" deve ser perturbadora para muitos homens.
Muitos pais não conseguem administrar este conflito com o conceito de masculino e acabam se afastando mais ainda de seus filhos gays, mas outros, ainda bem, vencendo seus conceitos prévios, conseguem enxergar o filho ALÉM daquele papel sexual, conseguem ver o filho honesto, trabalhador, amoroso e, muitas vezes, apaixonado por outro homem, que passam também a admirar e gostar, especialmente porque faz seu filho feliz.
Talvez para os pais de lesbicas seja um pouco mais simples, talvez o pai não sinta qwwue "fracassou" em passar sua masculinidade (talvez até mesmo genetica) para o filho. O pai do homossexual deve sentir, muitas vezes, que não foi um bom exemplo.
Muitos pais de homossexuais que estão próximos de seus filhos e filhas tem muito o que comemorar esta semana, muitos filhos e filhas que conseguem ter seus pais como amigos, mais que simples genitores, também.
E outros, que tem seus pais distantes, podem tentar fazer algo, quem sabe, para resgatar alguma coisa. Mas sei que isto não é simples, envolve perdão, envolve perdas...

4 comentários:

  1. Oi,Fabio
    Tive o prazer de receber seu texto várias vezes.Ele está em muitas listas da internet.
    Comungo plenamente com a idéia da adoção por homossexuais e queria - e como !- ter um netinho (a) adotado por meu filho...
    Tenho uma neta mocinha,mas criança é sempre luz na nossa vida.
    Quem sabe,né?
    Beijos
    Thereza Pires ( do Grupo de Pais de Homossexuais)

    ResponderExcluir
  2. Anônimo3:15 PM

    OLÁ, LI O SEU TEXTO E NAO CONCORDO PLENAMENTE. TIVE UM RELACIONAMENTO ESTAVEL POR MAIS DE 15 ANOS (DOS 25 AOS 40) - MORANDO JUNTO JA NO SEGUNDO MES,CONTA-CORRENTE CONJUTA, CARTAO DE CREDITO CONJUNTO, FERIAS COM A FAMILIA PARTICIPANDO - E NAO SO MEU PAI, COMO TODA A MINHA FAMILIA (DIGAMOS 90%) NAO DAVAM SINAIS NEGATIVOS. PELO CONTRARIO, PARTICIPAVAM ATE DEMAIS DAS NOSSAS ROTINAS. MEU PAI, HOMEM DO INTERIOR DE PERNAMBUCO, NO COMECO NAO ENTENDIA BEM O QUE ESTAVA OCORRENDO OU FAZIA DE CONTA QUE NAO ENTENDIA, COM O TEMPO, PASSOU A CHAMAR MEU COMPANHEIRO DE FILHO,CONTAVA CONOSCO PARA O SEU DIA-A-DIA, TEVE DESENTENDIMENTOS COM AMIGOS POR NOSSA CAUSA (AQUELES QUE FALAM MAL), E OLHE QUE A EPOCA ELE TINHA MAIS DE 65 ANOS.

    RECIFE-PE.

    ResponderExcluir
  3. Fabio, toda vez que passo para dar uma "olhadinha" no seu site acabo ficando horas lendo tudo. Seu blog está se tornando uma importante tribuna para discussao de assuntos de extremo valor para nos, gays e lésbicas, membros de familias alternativas. abraço e parabéns pela iniciativa.

    ResponderExcluir
  4. Antonio10:19 PM

    Sem dúvida são relatos e comentários que nos dão esperança... de um vida vivida com plenitude, o que para mim incluiria crianças. Tive o prazer de conhecer o autor deste blog, e só posso lhe dar os parabéns. Pela coragem e por tantas realizações amorosas... Servirá de exemplo, sem dúvida, embora não existam exemplos acabados. Grande abraço.

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!