7 de junho de 2005

ADOÇÃO por HOMOSSEXUAIS

Em 3 de março,o juiz Siro Darlan recebeu a Comenda da paz CHICO XAVIER, e deu uma entrevista para o Jornal Revelação do cusro de JOrnalismo da Universidade de Uberaba. Eu extrai um texto em que ele fala de adoção. Se quiser ler a entrevista completa clique no link

"JORNALISTA: Em 1997 o Sr. foi o primeiro, no Rio de Janeiro, a deferir uma adoção a um homossexual. Aguinaldo Silva está tratando da relação entre Homossexualidade e Adoção, na atual novela das 9. O que o Sr. pensa a respeito da retratação desse tema na telenovela?

JUIZ SIRO DARLAN: Eu acho importante. Eu acho que as novelas temáticas trazem a reflexão para a população de uma forma bastante séria. Temas importantes, como a Glória Peres sempre faz novelas temáticas sobre a questão da drogadição. Agora, essa novela também tratou, de forma muito superficialmente, do Alzhaimer e está tratando dessa questão do homossexualismo. Na verdade, eu deferi a adoção para uma pessoa, porque não se pode deferir para casal homossexual porque a lei ainda não autoriza a união matrimonial de pessoas do mesmo sexo. Porque o juiz quando aprecia uma causa, ele tem que apreciar essa causa, primeiro, moldada pela legalidade. Vocênão pode apreciar uma causa, com base em preconceitos. ‘Ah, eu não vou dar a adoção porque fulano é negro…ou judeu…ou nazista’. Todos esses critérios são critérios que a lei proíbe expressamente. Preconceito e discriminação são expressamente proibidos pela nossa constituição. Então nenhum juiz pode fundamentar ‘eu não vou dar a adoção porque essa pessoa é homossexual’, isso é uma ilegalidade. O que você tem que avaliar é se essa pessoa tem condição de ser pai, de ser mãe e de suprir a necessidades afetivas, emocionais, e também econômicas daquela criança. Se aquela pessoa atinge esses critérios objetivos, e a equipe técnica - porque o juiz não decide uma causa dessa sozinho - existe um laudo, de um assistente social e de um psicólogo, que vai dizer ao juiz se ela é idônea ou não. Você pode ter uma pessoa heterossexual, que seja um mau caráter, e que só vai fazer mal àquela criança. E você pode ter uma pessoa que é homossexual, e que é uma pessoa totalmente benéfica na convivência com aquela criança.

Então, quando eu deferi, eu deferi porque a equipe técnica falou: ‘Esse senhor, ele tem essas características: ele é professor de inglês, ele trabalha em tal lugar, ele é solteiro, mas a preferência sexual dele é por um companheiro, que vive com ele. Mas ele é uma pessoa idônea, do bem, da paz, uma pessoa capaz de criar e educar essa criança com amor.’ Ponto final, e é isso que me interessa. Então eu deferi, dizem que foi a primeira adoção, pelo menos conhecida, por homossexual. Eu por acaso tenho acompanhado essa adoção. Mais, porque a pessoa se prestou a escrever um livro sobre a experiência. Se você tiver interesse, o livro se chama o "Retrato em Branco e Preto", de Ângelo Pereira. É um livro em que ele narra essa experiência que ele adotou um menino, negro, que tinha um ano de idade, que estava abandonado em uma instituição e com problemas de saúde. Hoje, esse menino deve estar com uns 8 anos, estuda em um belo colégio, tem um acompanhamento psicológico, tem um desenvolvimento saudável e vive com esse pai, que cria, que educa. Feliz da vida! O que seria dessa criança se a gente tivesse impedido essa adoção? Viveria eternamente em uma instituição, até os 18 anos. Quando completasse 18 anos, a instituição falaria ‘Vai embora!’, e que família? Que referência? Foi uma criança salva por esse senhor que adotou, e que, por acaso, é homossexual.

Por outro lado, nós temos também quantos pais biológicos que são homossexuais.Seria o caso da gente tirar essa criança desse pai só porque ele é homossexual? Ele é pai biológico, ele gerou aquela pessoa. Nós sabemos, às vezes, até essa homossexualidade se manifesta depois de um casamento, já na idade madura, e aí ninguém fala em retirar aquela criança daquele pai, porque seria uma violência, tal qual é violência você negar a adoção só porque a pessoa é homossexual. Então a novela está trazendo a reflexão, um casal, de duas mulheres, que resolve dar uma família a uma criança. Esse o tema. Isso é que tem que ser refletido. ‘O homossexual vai influenciar nas tendências da educação do menino?’ Vai. E quantos homossexuais são filhos de heterossexuais? Não tenho argumentos que não sejam esses ao combate à discriminação, ao preconceito."

2 comentários:

  1. Que sensível e apropriado, revela profundidade e sinceridade sobre uma questão tão delicada, bela e desejado por muitos Homossexuais um beijão para ti e felicidades.

    ResponderExcluir
  2. Fiquei surpreso e lisonjeado que o Dr. Siro tenha citado meu nome em sua entrevista e mais ainda por dizer que está feliz por Pedro Paulo estar sendo criado em minha companhia. Realmente fui o primeiro homossexual assumido a quem ele deferiu uma adoçÃo. Mas acho que ele cometeu um pequeno engano: na época da adoçÃo eu nao tinha namorado, conheci meu companheiro com quem vivi por 3 anos muito tempo depois. Nos tornamos amigos desse sensivel e renomado juiz e até tivemos o prazer de recebe-lo e a sua esposa para jantar em nossa casa. Sao homens de mente aberta como Dr. Siro Darlan que fazem a roda da historia girar para frente. um grande abraço. Angelo Pereira

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!