23 de março de 2006

“á brasileira”

Aproveitando minha rabugice – mais do que justificada – em relação ao “jeitinho brasileiro”, queria falar de um outro termo, cuja origem é muito parecida, e é amplamente utilizado: a chamada adoção "á brasileira”.
A adoção “á brasileira” é aquela na qual a pessoa, ou o casal, que vai adotar uma criança, não se utiliza dos tramites legais para o processo.
O que normalmente acontece é que a pessoa que quer adotar fica sabendo de uma moça – no interior de Minas ou numa cidadezinha de Santa Catarina – que quer “doar” um bebê, o adotante vai até lá, conhece a mãe da criança e a criança e, se tudo está em ordem, (leia-se criança bonita e saudável e mãe bem coitadinha), o casal simplesmente vai até o cartório e registra a criança em seu nome, como se fosse seu filho biológico.
Esta informação, de que existe uma criança “disponível” para adoção, chega na maioria das vezes através de pessoas bem intencionadas, que querem muitas vezes ajudar a família que quer ter um filho ou a própria criança.
O que é ruim é isto ser conhecido como adoção “á brasileira”? Será que as pessoas fazem isto na Suécia e chamam isto de adoção “á sueca”?
Na Suécia não sei se fazem, mas na Namíbia, na Índia e na Venezuela devem fazer..e você sabe porque não é?
O problema... o problema é que isto é totalmente ilegal! Trata-se de falsidade ideológica – uma vez que mentem ao dizer que são pais biológicos da criança – e, muitas vezes, abuso de poder econômico, pois a mãe é “pobrinha” e os adotantes estão em melhores condições.
Além disto, dos problemas legais, estabelece-se uma relação de “mentiras” com este filho desde o primeiro momento!
Para estes pais será muito mais difícil falar das origens desta criança – se é que um dia pretendem fazer isto – e sempre, sempre, irá pairar esta nuvem da mentira nas suas cabeças: o medo que a mãe biológica reapareça e queira a criança de volta, o medo que alguém da família conte a verdade, o medo que a criança, ou o adolescente– o que é muuuuuuito pior – , descubra isto, e todos sofram muito!
Tudo por conta do nosso “jeitinho”, da nossa “malemolência”, e “ginga”...que nos outorga o direito de, se for por um bom motivo, não ter que seguir todas as leis!

E se você vai argumentar que adotar uma criança oficialmente é muito difícil, demorado e complicado, eu prometo fazer um post especial sobre isto! Mas não fique repetindo o que todo mundo fala sem saber!
Mas vamos combinar! Vamos chamar de adoção ILEGAL o que insistem em chamar de adoção “á brasileira”!

E você? O que acha da "adoção á brasileira"?

15 comentários:

  1. ACHO QUE UM ATO DESSE PORTE DEVERIA SIM SER REGULAMENTADO POR LEIS. LEIS SIMPLES, MAS QUE FUNCIONASSSEM.

    ResponderExcluir
  2. Se o casal tiver melhores condições de cuidar dessa criança, porque não?
    Melhor do que viver à beira, na marginalidade e acabar morrendo de fome.
    Assunto complexo, na verdade.

    ResponderExcluir
  3. Bom, eu não sou contra esse tipo de adoção, porque de qualquer forma essa criança vai estar melhor com os pais adotivos!
    E na realidade, a adoção no Brasil é sim muito burocrática, especialmente para gays. Conheço pessoas há anos numa fila, e a única exigência é quererem um bebê, o que eu acho super natural, não é crime querer criar seu filho desde bebezinho, trocar fraldas, etc.
    É muito complexo mesmo esse assunto.
    Mas eu, se fosse adotar, tentaria fazer da forma LEGAL, mas por 1 só razão: para conseguir dormir à noite sem o medo de que exigissem meu filho de volta!

    ResponderExcluir
  4. O brasileiro tem essa relação peculiar com as leis. Tudo no fim é um pouco assim, nada aqui é preto no branco. Existe lei para tudo mas as leis são sempre nebulosas. A lei depende de quem está aplicando. Devem existir casos onde a adoção legal correu tranquila e outros em que acoisa não vai. O fato é que o brasileiro não acredita na lei, e isso é uma das causas do nosso atraso. Como mudar?

    ResponderExcluir
  5. Gostei do post, o tema é bem polêmico!
    Segundo a sua definição, eu, então, fui adotada "à brasileira". E vc sabe o pq disso? Eu compreendo perfeitamente o seu ponto de vista, MAS acho que vc esqueceu de mencionar uma coisa muito simples: é absurdamente difícil adotar uma criança pelos meios legais. E, se o médico que fez o meu parto não tivesse avisado meus pais adotivos sobre a minha existência e sobre o fato da minha mãe biológica ter me abandonado no hospital por livre e espontânea vontade já que não tinha condições financeiras de me criar, num prazo de dias ou até mesmo de horas, eu teria ido parar numa dessas instituições de crianças abandonadas.
    E o que quer dizer isso? Quer dizer que, mesmo que isso seja ilegal, eu teria crescido no meio de outras crianças em meio a condições precárias. Não teria tido amor, carinho, atenção, saúde, educação, uma família pra chamar de minha, não teria estudado numa excelente escola, não teria tido uma boa formação, não teria praticado esportes, não teria ido aos melhores médicos quando fiquei doente e também não teria alguém pra cuidar de mim a noite toda, não teria sido tratada com homeopatia, não teria usado aparelho para corrigir meus dentes, não teria uma casa, um quarto, familiares, festas de aniversário, festas de qualquer coisa (minha família é festeira!), não teria um ambiente saudável pra crescer, não estaria hoje estudando na UFRJ, enfim... Dificilmente eu seria quem eu sou hoje se meus pais não tivessem cometido esse ato ilegal.
    Se eu cheguei até aqui, eu devo TUDO a eles.
    Será que isso é tão ilegal assim? ;)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Só complementando: conheço várias pessoas que querem adotar crianças pelos meios legais... Pergunta: elas conseguiram até agora, depois de seis, sete anos esperando? Não. Burocracia, amigo, burocracia... ;)

    ResponderExcluir
  7. adocao a brasileira e a continuacao do post sobre o jeitinho brasileiro...

    ResponderExcluir
  8. é algo bem complicado, pois, geralmente está envolvido dinheiro, p/ quem intermediou e p/ quem fez a 'doação' e qdo há dinheiro no meio, boa coisa ñ é. mas conheço de perto o caso de um casal, donos de uma famosa indústria, q estão tentando adotar uma criança por meios legais, há DOIS anos. isso mesmo, 2 anos. e até agora nda. o q será q nossa lei prefere: crianças no orfanato ou pais c/ condições de dar boa condições p/ a criança? se for pensar na criança, prefiro a adoção 'à brasileira'.

    ResponderExcluir
  9. ops!!! errei no meu comentário. seria melhor: pais c/ condições de dar boa educação p/ criança... desculpa!!!

    ResponderExcluir
  10. Você sabe por que é dificil ? Porque o brasileiro preconceituoso e que teme comentários, quer adotar só crianaçs branquinhas e recém-nascidas ..Se ela tem mais de 6 meses , esquece , essas têm aos montes para adotar e mesmo com a burocracia das leis, o processo não demoraria muito. Parece que todos querem esconder o fracasso, biológico para não poder ter filhos...E ainda proibem os gays de adotar...fala sério..

    ResponderExcluir
  11. Meio genérico falar "fracasso biológico", algumas pessoas simplesmente têm problemas pra gerar uma criança, isso não é um fracasso. Enfim...
    Qto a idade que os casais querem, realmente, a maioria esmagadora quer bebês. Agora, qto à etnia... existem casais interessados em adoção de todas as etnias! Ou vcs acham que só casais brancos adotam? Aliás... Geral vive dizendo que a população brasileira é super miscigenada.
    Existem sim casais dispostos a adotar crianças mais velhas (não de meses, mas de anos de idade), e tb esbarram na burocracia, assim como todos os outros casais e tb tem os casais dispostos a adotar crianças de qualquer etnia.
    Quem não tem contato com essa história de adoção, não tem noção de como as coisas funcionam!
    E, sobre adoção homoafetiva, já deveriam ter autorizado isso há tempos. Não vejo justificativa alguma pra que um casal homo não possa adotar uma criança. Ah, sim, há o preconceito dos assistentes sociais, dos juizes, etc...

    ResponderExcluir
  12. http://gayleria.blogspot.com/
    Passa por lá e deixa a tua opinião. Se quzeres trocar links nos blogs, será um prazer...

    ResponderExcluir
  13. Eu concordo contigo, completamente. Você tem filho ou filha?

    ResponderExcluir
  14. Oi, Fabio! Agora eu sei o seu nome! :)
    O tema da adoção dá ainda uns vários posts, principalmente no que diz respeito à adoção homoafetiva (eu vou escrever sobre isso lá no meu blog).
    Na posição de filha adotiva (e futuramente - pq um dia pretendo adotar - mãe adotiva), tenho uma boa noção do que é a minha realidade e do que poderia ter sido, então é complicado não opinar, ainda mais eu que adoro uma polêmica!
    O que me deixa meio p* é a confusão entre o fato de adotar e o comodismo do famoso jeitinho brasileiro - que eu sou contra.
    De qq maneira, toda discussão é saudável e eu curto pra caramba o seu blog!
    Como vc sacou de cara, foi fonte de inspiração pro meu post...rs
    Bjinho e bom fim de semana pra vc!
    Erika (este é meu nome!)

    ResponderExcluir
  15. Bem! eu nao poderia passar por aqui e nao deixar meu comentario, fui adotada ''a brasileira'' e so tenho a agradecer esse jeitinho brasileiro ja que a justica brasileira por muitas vezes eh falha, sao irregularidades que crescem como uma bola de neve, fui deixada em um hospital que na epoca era conhecido como local seguro para maes terem seus filhos sem ter que revelar sua identidade (creio eu que isso tb seja ilegal) e uma enfermeira ficou sabendo que minha mae nao podia ter mais filhos (ja tendo 2 meninos) pois meu pai e O negativo e minha mae AB negativo se nao me engano :) e seria perigoso tentar uma menina, e ela foi ao hospital me pegou sem problema algum , ou seja foram varias ilegalidades que me deram a melhor vida possivel... e agora meu maior desejo eh uma adocao ''a brasileira'' procuro uma crianca que precise (e ja tenho um filho biologico) e nao estou disposta a ve-lo em um orfanato por meses a espera de um tempo disponivel de algum juiz.

    ResponderExcluir

Obrigado por seu comentário! Assim que possível lhe dou um retorno!